Seis mulheres já registraram queixa contra o médico no Complexo Policial de Itabuna

Leia em: < 1 minuto

Na última segunda (8.julho), uma agente de saúde esteve na delegacia de Polícia Civil de Itabuna para registrar um boletim de ocorrência contra o médico oncologista e hematologista, Dr. Mangabeira. Segundo a mulher, ela foi abusada sexualmente durante uma consulta na clínica particular do profissional.

A mulher concedeu entrevista a vários veículos de comunicação e afirmou, categoricamente, que Dr. Mangabeira acariciou as partes íntimas dela durante a consulta. O médico, inclusive, teria beijado a boca da mulher.

Desde a denúncia, outras mulheres compareceram ao Complexo Policial para registrar queixas de importunação sexual e assédio contra o médico. Até o momento, seis vítimas formalizaram denúncias contra Dr. Mangabeira.

Em nota, a Clínica Oncosul, onde os assédios e abusos teriam acontecido, informou que repudia qualquer forma de assédio e reafirma o compromisso com a ética e a transparência. A clínica informou, ainda, que está colaborando com as investigações e que medidas apropriadas serão tomadas.

Dr. Mangabeira atua na Medicina há mais de 40 anos. Além de médico, é administrador e empresário. Já foi candidato a prefeito de Itabuna e a deputado federal, mas não conseguiu se eleger em nenhumas das ocasiões.

//

Profissional responde com grosseria aos questionamentos dos funcionários da unidade de saúde

Leia em: < 1 minuto

O Pauta Blog recebeu uma denúncia gravíssima sobre a conduta de um médico que atua em um hospital localizado em Itabuna. Dois leitores nos procuraram para dizer que já presenciaram esse profissional destratando e respondendo de forma grosseira aos questionamentos de algumas enfermeiras e outros funcionários da unidade de saúde.

Parece que a especialidade do médico é não ser educado nem cortês no ambiente de trabalho. Será que ele também destrata os pacientes ou tem comportamento bipolar e vira outra pessoa durante as consultas? Duvido!

LEIA TAMBÉM NO PAUTA BLOG ⤵️

Pancadinha, Cosme Resolve, Erasmo Ávila, Zé Alberto, Ferlú Mansur, Paulo Magalhães, Lula, Ciro e Bolsonaro, Dayane Pimentel, Bruno Reis e Manoel Porfírio, Humberto Mattos, Davdson Brito, Capitão Azevedo, Isaac Nery, Guinho, Mangabeira

//

Médico disse que ambulância que estava estacionada no pátio do Samu não poderia socorrer idoso com dores de coluna

Leia em: 3 minutos

O editor do Pauta Blog passou por uma situação, no mínimo, revoltante, no último domingo (11.setembro). Ao telefonar para a base do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para solicitar atendimento para um idoso de 79 anos de idade, que sofria com fortes dores na coluna e não conseguia se mexer, o médico plantonista disse que não poderia enviar a ambulância, mas que poderia receitar um medicamento por telefone.

A informação, claro, foi contestada porque não havia interesse em medicar o paciente sem, antes, passá-lo pela devida avaliação clínica. O funcionário disse, no entanto, que as ambulâncias do Samu só devem ser deslocadas em casos iminentes de morte, mesmo que o veículo esteja disponível naquele momento: “A gente destina para casos mais graves como doença pulmonar, traumas e acidentes. Nesse caso, ficamos impossibilitados de mandar uma base para um quadro como esse, que é uma dor na coluna. É um quadro que irrita e incomoda, mas, dentre outros quadros com risco iminente de morte, a gente seleciona a base para casos mais urgentes”.

O médico disse, ainda, que poderia receitar alguma medicação por telefone: “Eu oriento você a medicá-lo. Você tem medicação aí? Eu posso passar um medicamento e, ele melhorando, você leva para o hospital. Eu posso orientar você. Eu sou médico e posso orientar você a medicar ele. Você poderia diminuir a dor com esse medicamento e ele ir ao hospital”.

O editor ficou bastante relutante com a ideia de oferecer um remédio para o idoso sem ao menos saber do que se tratava o quadro, mas o médico insistiu que o Samu não poderia ajudar: “Nesse momento, nós temos apenas uma base, que é ambulância básica e está reservada para outros casos de maior valência, como o caso de um idoso que caiu de uma altura, uma crise convulsiva ou uma suspeita de AVC”.

O funcionário não aceitou ouvir críticas sobre a postura do Samu e subiu o tom ao dizer que o editor era egoísta por solicitar atendimento para um caso que ele, mesmo sem avaliar o paciente, não considerava grave: “O senhor é egoísta! O senhor está querendo que a gente mande uma ambulância, que deixe de mandar para um infarto ou um AVC ou para um trauma de um senhor de 92 anos de idade que caiu de uma altura. A ambulância do Samu é para urgência e emergência, ela não é uma ambulância social. Isso é um absurdo! Qualquer pessoa com o mínimo de noção de saúde pública, não iria permitir isso! O Samu é uma ambulância de UTI!”.

ABSURDO!
É bom esclarecer que, em nenhum momento, o editor sugeriu que o médico deixasse de prestar atendimento para alguém com risco de morte e priorizasse a prestação do serviço para o paciente com fortes dores de coluna. O questionamento, desde o princípio, foi sobre o porquê da ambulância não poder se deslocar sendo que ela estava estacionada no pátio da base do Samu, ou seja, disponível para socorrer qualquer pessoa. Foi lamentável ouvir um médico dizer, também, que poderia receitar algum remédio sem ter tido nenhum contato com o paciente que, diga-se de passagem, tem 79 anos e merecia uma atenção especial.

Além de lidar diariamente com pessoas doentes, os funcionários do Samu precisam aprender, também, a lidar com os familiares dos pacientes. É preciso considerar que ninguém pede ajuda quando não precisa, sendo assim, praticar a empatia não custa nada, é nobre e faz bem para a alma e para o coração.

4º GRUPAMENTO DE BOMBEIROS MILITAR
Após negativa do médico do Samu, idoso foi socorrido até o hospital em uma viatura do Corpo de Bombeiros Militar graças à sensibilidade do comandante do 4º GBM, Tenente Coronel Manfredo Santana.

//

Heitor Wagner Silva Oliveira foi encontrado morto dentro da unidade hospitalar

Leia em: < 1 minuto

Ontem (17.julho), o médico Heitor Wagner Silva Oliveira foi encontrado morto no Hospital Municipal de Brotas de Macaúbas, no oeste baiano. Inicialmente, a polícia suspeita que o profissional tenha morrido em decorrência de uma overdose medicamentosa, mas não há confirmação e o caso está sendo investigado.

A prefeitura de Brotas de Macaúbas publicou uma mensagem de luto nas redes sociais e lamentou o falecimento do jovem médico. O Conselho Regional de Medicina da Bahia também lamentou o fato e disse que a morte súbita precisa de mais esclarecimentos.

Nossos sentimentos aos familiares e amigos.

Com informações do G1 Bahia.

//

Prefeitura de Itabuna nega dispensa de médicos na UBS do São Caetano

Leia em: < 1 minuto

Mesmo tendo recebido mais dois profissionais, um pelo Programa Médicos pelo Brasil e outro por contratação na última 6ª feira passada (8.julho), a Secretaria Municipal de Saúde, dispõe de ao menos cinco novas vagas para médicos que tenham disponibilidade para 40 horas semanais. As vagas são decorrentes da saída para residência médica em outros estados ou mudança de município por aprovação no programa que substituiu o Mais Médicos.

A secretária da pasta, Lívia Mendesconfirmou que há disposição para a contratação de médicos clínicos para suprir vagas abertas nas Unidades de Saúde da Família para que se mantenha o propósito de oferecer serviços à população. “Estamos buscando contratações, mas há falta de médicos disponíveis”, justificou.

“É falsa a informação de que a Prefeitura tenha demitido profissionais da Unidade Básica de Saúde José Édites dos Santos, no São Caetano, já que os médicos que deixaram o posto foram aprovados em concurso para residência médica e para outro município pelo Programa Médicos pelo Brasil”, afirmou a enfermeira Alessandra Lopes, diretora do Departamento de Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde.

Segundo explicou há uma vaga para a USF Fátima I, outra para a UBS Dilson Cordier e três para a UBS José Édites dos Santos, no PSF (Programa Saúde da Família).

//

Segundo a polícia, suspeito mantinha carimbo com nome de outro médico dentro do próprio bolso

Leia em: < 1 minuto

Policiais das cidades de Itapetinga e Potiraguá, no sudoeste baiano, prenderam um homem de 34 anos nesta 3ª feira (12.abril) após constatar que ele atuava como médico no Hospital Maternidade de Potiraguá sem possuir a carteira do Conselho Regional de Medicina. Além disso, o suspeito tem um diploma de Medicina da Bolívia, mas exercia a profissão ilegalmente se passando por outro médico.

De acordo com informações cedidas pela polícia, o investigado possuía um carimbo com o nome do outro médico dentro do próprio bolso. A diretoria da unidade hospitalar confirmou que o homem se identificava como outra pessoa o tempo inteiro.

O suspeito foi conduzido à delegacia de Polícia Civil e autuado em flagrante pelos crimes de falsidade ideológica, exercício ilegal da Medicina e falsa identidade. Foram apreendidos o carimbo do médico e três fichas de atendimento ambulatorial e emergencial, que tinham sido preenchidas, carimbadas e assinadas pelo suspeito.

De acordo com o delegado titular da 21º Coorpin, Dr Roberto Júnior, o suspeito confessou em depoimento que se formou na Bolívia e já conseguiu revalidar o diploma, mas que não tem registro no CRM e, por esse motivo, utilizava a identidade de outro profissional para trabalhar.

//

O médico Ruy Carvalho iria completar 72 anos no dia 9 de janeiro

Leia em: < 1 minuto

Vitima de uma gripe bastante forte, o médico e ex-candidato a prefeito de Ilhéus, Dr. Ruy Carlos Carvalho Santos, mais conhecido como Doutor Ruy, faleceu ontem (28.dezembro) no Hospital São José, em Ilhéus.

O médico chegou a passar por uma cirurgia de traqueostomia e fez hemodiálise.

Na política, Dr. Ruy, chegou a concorrer para prefeito de Ilhéus, em 2004 e 2008 pelo Partido dos Trabalhadores. E em 2006 chegou a concorrer a uma cadeira na Alba (Assembleia Legislativa da Bahia).

Fica registrado os nossos sentimentos aos familiares e amigos.

Dr. Isaac Nery criticou postura dos vereadores e falta de oposição ao prefeito na Câmara

Leia em: 2 minutos

O médico, ex-secretário de saúde e ex-candidato a prefeito de Itabuna, além de pré-candidato a deputado federal, Dr. Isaac Nery (Republicanos), concedeu entrevista ao Jornal Interativa News na manhã desta 6ª feira (19.novembro) e soltou o verbo sobre a atuação da Câmara de Vereadores e sobre a gestão de Augusto Castro. De acordo com o médico, não existe oposição ao prefeito na Casa Legislativa e a população foi enganada com falsas promessas durante a campanha eleitoral de 2020.

Logo no início da entrevista, Dr Isaac declarou que não concorda com os ataques disparados pelo presidente da Câmara, Erasmo Ávila (PSD), à imprensa da cidade: 📌 “Eu acho que uma Câmara de Vereadores, de 20 vereadores, que apoia o prefeito que aí está e que votou no ‘pacote da maldade’, eles podem fazer tudo, menos falar de um órgão que ajuda o gestor a gerir a cidade. A imprensa ajuda você a administrar a cidade. A imprensa é uma parceira e não uma inimiga”.

O médico também criticou a postura dos vereadores e a falta de oposição ao gestor itabunense: 📌 “Essa Câmara, ela é infeliz, né? Por si só, né? Eu não entendo uma cidade onde 20 vereadores apoiam um gestor assim do nada. Ou seja, o cara só acerta e não há oposição. A gente só vê isso em ditadura sanguinária em que você controla tudo”.

Questionado sobre a atuação do prefeito desde que assumiu o cargo, Dr Isaac afirmou que muitas promessas feitas durante a campanha ainda não saíram do papel: 📌 “Ele e o vice mentiram durante a campanha dizendo que iam transformar Itabuna. Parecia que Itabuna ia evoluir 50 anos em 1 ano. Prometeram ônibus de qualidade, novos e com wifi, pintaram e bordaram. Na verdade, quando começou a melhorar a pandemia, manda um pacote da maldade que é o aumento de impostos para piorar o desemprego”.

Dr Isaac alfinetou a ‘ausência’ de Augusto Castro, dando a entender que a prioridade do gestor, atualmente, é a pré-candidatura da esposa, a secretária de Promoção Social e Combate à Pobreza, Andrea Castro: 📌 “O prefeito está aonde que não vê como as ruas estão? A cidade está esburacada. Está uma vergonha! Dizem as más línguas que o prefeito está viajando para eleger a mulher no futuro. Então, aí você viaja muito e você não tem como ver a cidade. Dever ser isso, né?”.

Como médico que é, o pré-candidato a deputado federal lembrou que a situação de um dos principais hospitais da região é crítica: 📌 “O presidente da Câmara não pode gastar todo recurso que entra. Ele poderia devolver uma parte. (…) Vá para o Hospital de Base ver a situação. Se o presidente da Câmara devolvesse uma parte desse dinheiro para o hospital, comprava o antibiótico que está faltando lá, comprava material para operar paciente que está faltando lá”.

O médico infectologista Antônio Bandeira é especialista em arboviroses

Leia em: 3 minutos

Por causa da pandemia da Covid-19, o CFM (Conselho Federal de Medicina) aprovou o uso da telemedicina. A princípio, como uma excepcionalidade para permitir o acesso das pessoas em isolamento social ao atendimento médico, mas tudo indica que essa é uma modalidade que será confirmada, mesmo após a pandemia.

O infectologista Antônio Bandeira tem atuado no tratamento de pacientes com Covid-19 em ambulatório e em internação hospitalar como unidades de tratamento intensivo, desde os primeiros casos na Bahia. Diante da grande procura por atendimento, o especialista passou a atender também por teleconsulta.

Desse modo, consegue cuidar de pacientes que tenham suspeita ou confirmação de diagnóstico de Covid-19 e outras doenças sem que a pessoa precise se deslocar até o consultório ou hospital. Ampliou assim a possibilidade de atender pacientes que não moram em Salvador.

Nesta entrevista Bandeira explica por que o acompanhamento constante, presencial ou à distância, é fundamental para que se tenha melhor prognóstico na evolução da doença.

Pauta.Blog // A Covid-19 é uma doença de evolução muita rápida e imprevisível. Por que é importante o médico acompanhar o paciente de forma constante?
Antônio Bandeira // O médico tem que fazer o “acompanhamento precoce”. Essa é a estratégia apropriada para atuar a cada momento na história natural da Covid-19. Um paciente pode mudar rapidamente de evolução e fazer esse diagnóstico, tratar a doença a cada mudança que ela produz no organismo pode ser decisivo para resgatar um doente e não o deixar piorar. Não permitir o paciente agravar, conseguindo frear o processo inflamatório no momento certo, com a medicação apropriada para aquele momento.

Pauta.Blog // O paciente pode tomar as medicações necessárias em casa?
Antônio Bandeira // O paciente pode tomar as medicações em casa quando assistido pelo médico que o esteja acompanhando. É esse o caminho para o paciente conseguir evoluir bem, muitas vezes, sem necessidade de ser internado. Mas nunca desassistido. Nunca sozinho: ele precisa do seguimento conjunto com o médico.

Pauta.Blog // Quando saber se é necessário o internamento?
Antônio Bandeira // Somente o médico pode saber o momento para internação do paciente.

Pauta.Blog // Mesmo internado em hospital fora de Salvador, o senhor pode manter o acompanhamento do paciente e instruir as equipes assistenciais?
Antônio Bandeira // Mesmo à distância o médico pode orientar os pacientes. Eu mesmo já orientei ações em outros estados, tanto por meio da Telemedicina quanto por meio de contato com os profissionais médicos que estavam assistindo o paciente em outro estado.

Pauta.Blog // Quais os riscos de não receber acompanhamento no início da Covid-19?
Antônio Bandeira // Os riscos são altos quando não se acompanha o paciente desde o início da doença. Isso porque a Covid-19 pode evoluir de forma muito diferente de paciente para paciente. E assim uma pessoa pode precisar de uma intervenção mais precoce do que outra. E nunca o paciente é capaz de se autodiagnosticar e muito menos se automedicar.

CURRICULUM
O médico infectologista Antônio Bandeira é especialista em arboviroses, participa como pesquisador e médico do Ensaio Clínico da Vacina da Dengue do Instituto Butantan e de inúmeras pesquisas relativas à Covid-19, inclusive com a descrição de casos de reinfecção pelo SARS-CoV-2. Exerce atividades na Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, onde coordenou o Comitê de Enfrentamento da Covid-19 e coordena o Serviço de Infectologia do Hospital Aeroporto. Professor da Faculdade de Medicina de Tecnologia e Ciências e preceptor da residência médica em Infectologia do Hospital Couto Maia.

Notícias mais lidas

Outros assuntos