Erasmo Ávila (PSD): presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna ainda disse: “Itabuna nunca teve uma participação tão efetiva do deputado Paulo Magalhães, em obras e recursos oriundos da União”.

Leia em: 5 minutos

O presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Erasmo Ávila (PSD), deu uma declaração ao Pauta.Blog que deixou todos curiosos em relação a uma possível candidatura a deputado. Questionado o motivo do seu nome ter sido cogitado a deputado durante algum tempo, e depois o assunto ter esfriado, ele justificou a candidatura da primeira-dama e secretária de Promoção Social e Combate à Pobreza, Andréa Castro.

“A nossa política é muito democrática e nós seguimos algumas normas e estudos para entender de que forma podemos contribuir para o avanço de Itabuna. A primeira dama Drª Andréa Castro tem feito um trabalho extraordinário na ação social e é uma pessoa que tem um carinho muito grande por Itabuna. O nosso grupo aposta muito na candidatura dela, e o que eu devo acompanhar é a decisão do grupo”, disse.

E finalizou afirmando que o grupo está muito voltado para Dra Andréa e que ele é por Itabuna. “Tudo vai depender da decisão do grupo. Nós estamos aqui para ouvir a vontade do povo”.

Eis a entrevista completa. Confira ⬇️

Pauta.Blog // Quem é Erasmo Ávila?
Erasmo Ávila // Empresário do segmento de cosméticos e eventos, mas também profissional da área de Educação Física e Administração, que descobriu a política ainda muito jovem, aos 20 anos, por influência do meu tio José Ávila. Atendendo um convite do meu tio participei diretamente do processo de emancipação política e administração de São José da Vitória, que antes pertencia a Buerarema. Realizamos um plebiscito e conseguimos desmembrar a área territorial de Buerarema e fundar São José da Vitória.

Lá fui Secretário de Administração por 12 anos, três mandatos e també chefe de gabinete. Muitas obras que lá existem, como por exemplo, campos de futebol, calçamento, entre outros, fomos nós que desenvolvemos. Tempos depois, já morando em Itabuna, no bairro Califórnia, também realizei projeto social. Também fui professor no Ciso, Gato de Botas, AFI, técnico de futebol na Telebahia, e hoje sou vereador e presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna.

Pauta.Blog // Como surgiu o interesse pela política?
Erasmo Ávila // Minha veia política é familiar. Como falei anteriormente, por influência de meu tio José Ávila, em São José da Vitória. Em cidade pequena nós nos envolvemos em todo processo político e para me envolver na política em Itabuna levou um pouco de tempo, foi por meio do prefeito Augusto Castro, que conheço há mais de 30 anos. Ele desde novinho era levava políticos para Salvador e Brasília, e eu, depois que sair da política em São José da Vitória, fui morar em Belém, onde fiquei cinco anos e depois voltei.

Em 2014 surgiu o primeiro convite para coordenar a campanha de Augusto para deputado, e em meio a essa coordenação ele falou que eu deveria ser candidato a vereador, por conta do meu bom relacionamento com as pessoas.

Pauta.Blog // O senhor disputou duas eleições para vereador, em 2016 (777 votos) e em 2020 (743 votos). Esse cenário reflete que sua base foi mantida?
Erasmo Ávila // Em 2016 conquistei 777 votos, mas perdi por 23 votos para Babá Cearense. Desistir da política e continuei com meus negócios, mas em 2020 Augusto Castro me convidou novamente, fui candidato e tive 743 votos. Foi mantida a minha base política, porque foi muito de relacionamento.

Pauta.Blog // Fale um pouco do trabalho nestes oito meses em que está à frente da presidência da Câmara?
Erasmo Ávila // Primeiro fazer todos os vereadores entenderem que o nosso papel tem muita responsabilidade em fiscalizar, legislar e organizar a casa, os 53 projetos de lei aprovados em apenas oito meses, pois em plena pandemia a Câmara funcionou quase que normal, mas seguindo com todos os cuidados. Enfim, retomamos a harmonia da Casa, com muita competência técnica e humana.

Pauta.Blog // Qual será a marca que o senhor deixará na Câmara de Itabuna?
Erasmo Ávila // Quero fazer história na Câmara com a reeleição de muitos vereadores, pois isso nunca aconteceu em Itabuna. O legislativo sempre é renovado quase em sua totalidade. Mas até chegar a esse objetivo vamos desafiar a comunidade de Itabuna para acompanhar de verdade todas as ações promovidas pelos vereadores. Depois incentivar nossos vereadores para ir até a comunidade, vestidos na alma, mostrando a comunidade suas ações, e por fim, fazer as pessoas entenderem que Itabuna está recomeçando e nós fazemos parte desse recomeço.

Pauta.Blog // Quais projetos Erasmo pretende levantar como bandeira?
Erasmo Ávila // Quero provar a honestidade e a seriedade desta nova Câmara. Também temos um sonho de construir nosso próprio espaço, e fazer com que Itabuna retome a sua dignidade em relação à parte financeira.

Pauta.Blog // Qual a sua avaliação em relação ao governo do prefeito Augusto Castro, principalmente nas áreas da saúde e educação?
Erasmo Ávila // Itabuna já apresentava problemas sérios na saúde e com a chegada da pandemia tudo se agravou, mas em apenas nove meses de governo o prefeito já conseguiu avançar bastante. Tratou com seriedade a pandemia com a abertura do Hospital de Campanha, com atendimento dos itabunenses e dos pacientes de cidades vizinhas, foi resolvida a problemática que envolvia a grande demanda por ressonância magnética com a chegada de um moderno equipamento. Antes o município regulava 80 exames e hoje a capacidade é para cerca de 500 exames de ressonância.

A reabertura do Cemep que é fato, vai acontecer no dia 12 de outubro. Serão mais 150 leitos clínicos para os pacients infanto-juvenil. Tem também o aumento das atividades na Santa Casa e no Hospital Manoel Novaes com atendimento SUS portas abertas, a readequação do Hospital de Base com reflexo na melhoria do atendimento, o lançamento da Maternidade Municipal, a nova Policlínica Municipal 2 de julho que está em novas instalações, e a recuperação de 19 postos de saúde. Eu acredito que para nove meses de mandato, o avanço foi muito significativo. A saúde está de parabéns.

Em relação a Educação, foi a área mais prejudicada na pandemia porque os alunos ficaram sem ir à escola. Todos sofreram bastante, mas o município tem tomado todas as providencias para um retorno de forma segura e o Prefeito Augusto Castro já fez licitação para recuperação de algumas grandes escolas e a intenção é que haja um retorno presencial no mês outubro.

Pauta.Blog // Seu nome chegou a ser cogitado como candidato a deputado, mas hoje não se fala mais no assunto. Ainda existe essa possibilidade?
Erasmo Ávila // A nossa política é muito democrática e nós seguimos algumas normas e estudos para entender de que forma podemos contribuir para o avanço de Itabuna. Claro que estamos fazendo um trabalho como presidente e vamos cumprir, mas a primeira dama Drª Andréa Castro tem feito um trabalho extraordinário na ação social e é uma pessoa que tem um carinho muito grande por Itabuna também.

O nosso grupo aposta muito na candidatura dela, e o que eu devo acompanhar é a decisão do grupo, que está muito voltada para Dra Andréa. Eu sou por Itabuna. Tudo vai depender da decisão do grupo. Nós estamos aqui para ouvir a vontade do povo.

Pauta.Blog // No cenário nacional, o senhor acredita numa terceira para compor a disputa eleitoral?
Erasmo Ávila // Acredito que existe espaço para uma terceira via sim. Com certeza. A política é igual uma nuvem, muito dinâmica. E afirmo que por conta desse dinamismo tudo pode acontecer.

📷 Fotos de Pedro Augusto

LEIA TAMBÉM ⬇️

Augusto Castro e Jaques Wagner, Pancadinha e ACM Neto, Valderico Júnior, Fábio Vilas-Boas

Capitão Azevedo: ex-prefeito de Itabuna

Leia em: 7 minutos

Longe da caneta há mais de 10 anos, quando perdeu a eleição municipal para Vane do Renascer, o ex-prefeito Capitão Azevedo vem sonhando em voltar a ocupar um cargo político. Já declarou que irá concorrer às eleições de 2022.

Em entrevista Exclusiva ao Pauta Blog, Azevedo relembrou sua trajetória política, avaliou a atual gestão municipal e já cravou: está fechado com ACM Neto. Confira:

Pauta.Blog // Como tem levado os seus projetos pessoais e políticos nesses quase dois anos de pandemia?
Capitão Azevedo // É inegável que houve um comprometimento. A pandemia trancou a economia, a parte social, as relações interpessoais. Houve um travamento das ações, do pensamento, as ideias ficaram limitadas. E nós entendemos que, para tomar decisões, buscar ocupar espaços, interagir com a sociedade, é preciso que haja liberdade total da comunicação, da participação. E a pandemia impôs restrições.

Não tenha dúvidas de que as relações foram comprometidos, até na área familiar, pois procuramos nos proteger. E embora tenhamos perdido milhares de vidas, a prevenção foi o que salvou muitas outras.

E para mim houve, sim, um comprometimento. Agora, com a vacinação, a gente está com uma nova expectativa. Já vimos o semblante das pessoas melhorando, a economia retomando gradativamente, com os cuidados devidos. Afinal, a pandemia ainda não acabou. E mesmo com a vacina, ainda temos que manter os cuidados.

Pauta.Blog // Enxergarmos que o senhor tem a política na veia. De onde vem esta inspiração?
Capitão Azevedo // Veio da década de 70, quando ingressei na Polícia Militar. Vim trabalhar em Itabuna e fui buscando estudar. Fui a sargento, tenente, coronel e capitão. Galguei esses postos, sempre interagindo com a sociedade. E descobri que eu tinha uma tendência natural para me comunicar com as pessoas e, mais ainda, para me preocupar em solucionar os problemas das pessoas. Este foi um ponto fundamental.

O homem público, quando solicitado, tem que se sentir como um instrumento facilitador da vida das pessoas. E foi isso o que eu fiz como PM no Batalhão de Itabuna e, posteriormente, atuando no órgão de trânsito, o Detran, na 5ª Ciretran da Bahia. Fiquei 16 anos chefiando esse órgão.

Com isso, aprendi a fazer relações públicas, adquiri penetração na sociedade, através do serviço prestado. Quando assumi a 5ª Ciretran, ela era composta por 6 municípios. E quando deixei, 16 anos depois, estava com 22 municípios. Várias cidades pertenciam a Ilhéus e, vendo a qualidade do serviço que prestávamos, as pessoas iam até o governador do Estado para pedir para transferir a subordinação circunscricional para a 5ª Ciretran.


Isso foi um referencial e me fez sentir que eu deveria ir para outra área, para legislar em prol da população, especialmente da população carente. Foi aí que pedi licença da PM e da Ciretran e decidi ser candidato a vereador em 2004. No último mês para as convenções, encontrei com Fernando Gomes e ele me disse: você dá pra ser um bom vice.

Quando eu contei às pessoas que estavam na campanha para vereador comigo que seria vice, disseram que eu iria levar uma surra, já que Jacques Wagner era governador, Lula presidente e tínhamos um prefeito do PT, Geraldo Simões. Mas Fernando tinha deixado um legado de grandes obras. No final, vencemos a eleição.

Depois, fui candidato a prefeito. Começamos com 5% das intenções de voto e fomos crescendo. Quando o capitão Fábio se uniu com Jussara Feitosa, houve a revolução. Fomos eleitos com 52 mil votos. Este foi o maior pleito da história de Itabuna. Depois, tentamos a reeleição e perdemos por apenas 1.107 votos de diferença. Fui o candidato que chegou mais perto da reeleição. Se tivesse segundo turno, eu estaria lá.

Pauta.Blog // Como o senhor acompanha a política diariamente, principalmente no cenário local? Qual a sua avaliação?
Capitão Azevedo // A política tem uma dinâmica muito forte. Eu analiso uma situação até preocupante, porque nós tivemos a pandemia que atrapalhou muitas ações. Mas eu acredito que a experiência, a forma de planejar, podem ajudar nisso. Só que a nossa cidade ainda tem essa carência na forma de apresentar as ações, o que vai ser implantado.

É muito prematuro fazer uma avaliação concreta. A gente fica torcendo para que o gestor tenha sucesso, pois quem ganha é a cidade. A cidade é do povo, da coletividade. Eu torço pela cidade, seja qual for a sigla que esteja no poder. Torço para que o gestor faça um governo de acordo com os anseios da população.

Pauta.Blog // Caso tivesse sido eleito em 2020, o que você teria feito de diferente do atual prefeito Augusto Castro?
Capitão Azevedo // Em primeiro lugar, no primeiro dia de governo, toda a equipe estaria cuidando da estrutura da Saúde. Não abriria mão disso em hipótese alguma. Estrutura física, equipamentos, pessoal… pois em primeiro lugar está a vida das pessoas. Estaria apertando o cinto de todos os lados para resolver a questão da Saúde. Saúde é um conjunto de ações realizadas junto a outras secretarias. Investimento em saneamento básico, por exemplo, também e uma ação prevenção e saúde.

E pra isso eu já tinha o canal. Em 4 anos de mandato, fui o gestor que mais conseguiu captar recursos das esferas federal e estadual. Fiz um trabalho que, tanto o que me sucedeu, quanto os posteriores, e até o atual gestor ainda tem recursos que eu captei para execução de obras na infraestrutura da cidade. Tudo o que vem beneficiar, principalmente, a periferia da nossa cidade, as pessoas em situação de vulnerabilidade.

Pauta.Blog // De zero a dez, qual nota você dá à gestão do prefeito Augusto Castro?
Capitão Azevedo // Eu me abstenho de emitir uma nota. Não tenho condições de avaliar. Ainda é muito prematuro.

Pauta.Blog // Quais são os seus planos políticos? Será candidato a deputado em 2022?
Capitão Azevedo // Nós estamos na corrente de ACM Neto para governador. Estamos na expetativa de uma reforma eleitoral que deve ocorrer até setembro. Estou aguardando essa reforma para decidir se vou sair candidato a deputado estadual ou federal. Já que é o pleito mais próximo, me interesso muito.

Mas preciso de estrutura e é isso que vamos buscar nas esferas superiores. Primeiro, temos que consultar a sociedade. E eu vejo uma sociedade que agoniza por ter um representante. A cidade está órfã, sem representantes nas esferas superiores. E é preciso que a sociedade compreenda que, só através dessas forças, o progresso poderá ser implementado. Essa decisão pode envolver a troca de partidos. Hoje estou no PL, não tenho nada a reclamar, tenho uma boa relação com os presidentes estadual e municipal. Mas mudaria, sim, se for interesse do grupo político. Inclusive, já fui convidado por inúmeras siglas.

Pauta.Blog // Se as eleições fossem hoje, o senhor votaria em Wagner, Neto ou Roma? E por quê?
Capitão Azevedo // ACM Neto, sem dúvidas. Sou do tempo de ACM e voto em Neto.

Pauta.Blog // Existe alguma “rusga” com o ex-prefeito Fernando Gomes?
Capitão Azevedo // Em hipótese alguma. Tenho Fernando Gomes como amigo e o sempre terei. Houve uma questão de uma entrevista numa rádio, onde me perguntaram: “Se você entrasse na Prefeitura e visse um contrato de 3 milhões para coleta de lixo, o que faria?”. Eu respondi que, se eu entrasse e se visse que estava saindo pelo ralo [tudo na base do “se”], eu iria investigar.

Quando eu saí da rádio, um blog já tinha colocado: “Azevedo fala que o lixo de Itabuna está saindo pelo ralo”. Foi aí que meu amigo Fernando Gomes, sem termos um diálogo, gravou um vídeo aborrecido. Na primeira oportunidade em que tive com ele, conversamos, e expliquei como foi a entrevista. Foi igual quando ele disse o “morra quem morrer”. Não foi essa a intenção, mas ganhou o mundo dessa forma.

Pauta.Blog // A eleição no Brasil será polarizada mesmo entre Lula e Bolsonaro, ou você acredita que nascerá uma terceira via?
Capitão Azevedo // Eleição tem muita dinâmica. Mas, no momento, não vejo essa expectativa. No entanto, a polarização é complicada. As pessoas ficam envolvidas e isso compromete o raciocínio de visualizar uma outra opção. Mas não vejo, agora, a possibilidade de uma terceira via.

Pauta.Blog // Entre estes dois nomes, em quem o senhor votaria?
Capitão Azevedo // Francamente, eu sou da direita. Não resta dúvidas. Tenho que ir para direita. Não tenho para onde correr.

Pauta.Blog // Quais são as suas considerações finais?
Capitão Azevedo // A humildade tende a facilitar o diálogo com as pessoas. Meu êxito na gestão municipal foi a humildade. E eu desafio qualquer gestor a provar que trouxe mais recursos em 4 anos de mandato. Graças ao meu lado humilde, às relações, ao respeito mútuo.

A política evolui e os métodos têm que evoluir junto com a sociedade. E vemos muitos políticos na cidade e na região que não querem comungar com a sociedade. Querem permanecer usando aqueles métodos arcaicos. Só que não tem um sistema melhor para trabalhar na gestão pública do que a democracia. Isso é sacramentado no meu coração, na minha alma. Democracia significa liberdade para escolher, decidir, ir e vir. Devemos nutrir e preservar isso para evoluirmos junto com a sociedade. E eu quero passar essa mensagem para o meu povo de Itabuna.

Essa cidade tem tudo para ser pujante. Só precisa de um rumo. E eu estou pronto para ajudar a quem quer que seja, como também ser ajudado, para que possamos transformar nossa cidade rumo ao progresso.

Quero deixar bem claro que jamais desistirei das oportunidades que possam surgir para a nossa cidade, para o nosso povo e para a nossa gente.

E continuem se cuidado. A pandemia não acabou. Precisamos abrir as coisas, mas com prudência. A vida é a principal riqueza do ser humano. 

LEIA TAMBÉM A COLUNA BALÃO DA POLÍTICA⤵️

Azevedo, Paulo Magalhães, Eures Ribeiro, Geraldo Simões, Júnior Brandão, Sousa Lino, Valderico Reis

O médico infectologista Antônio Bandeira é especialista em arboviroses

Leia em: 3 minutos

Por causa da pandemia da Covid-19, o CFM (Conselho Federal de Medicina) aprovou o uso da telemedicina. A princípio, como uma excepcionalidade para permitir o acesso das pessoas em isolamento social ao atendimento médico, mas tudo indica que essa é uma modalidade que será confirmada, mesmo após a pandemia.

O infectologista Antônio Bandeira tem atuado no tratamento de pacientes com Covid-19 em ambulatório e em internação hospitalar como unidades de tratamento intensivo, desde os primeiros casos na Bahia. Diante da grande procura por atendimento, o especialista passou a atender também por teleconsulta.

Desse modo, consegue cuidar de pacientes que tenham suspeita ou confirmação de diagnóstico de Covid-19 e outras doenças sem que a pessoa precise se deslocar até o consultório ou hospital. Ampliou assim a possibilidade de atender pacientes que não moram em Salvador.

Nesta entrevista Bandeira explica por que o acompanhamento constante, presencial ou à distância, é fundamental para que se tenha melhor prognóstico na evolução da doença.

Pauta.Blog // A Covid-19 é uma doença de evolução muita rápida e imprevisível. Por que é importante o médico acompanhar o paciente de forma constante?
Antônio Bandeira // O médico tem que fazer o “acompanhamento precoce”. Essa é a estratégia apropriada para atuar a cada momento na história natural da Covid-19. Um paciente pode mudar rapidamente de evolução e fazer esse diagnóstico, tratar a doença a cada mudança que ela produz no organismo pode ser decisivo para resgatar um doente e não o deixar piorar. Não permitir o paciente agravar, conseguindo frear o processo inflamatório no momento certo, com a medicação apropriada para aquele momento.

Pauta.Blog // O paciente pode tomar as medicações necessárias em casa?
Antônio Bandeira // O paciente pode tomar as medicações em casa quando assistido pelo médico que o esteja acompanhando. É esse o caminho para o paciente conseguir evoluir bem, muitas vezes, sem necessidade de ser internado. Mas nunca desassistido. Nunca sozinho: ele precisa do seguimento conjunto com o médico.

Pauta.Blog // Quando saber se é necessário o internamento?
Antônio Bandeira // Somente o médico pode saber o momento para internação do paciente.

Pauta.Blog // Mesmo internado em hospital fora de Salvador, o senhor pode manter o acompanhamento do paciente e instruir as equipes assistenciais?
Antônio Bandeira // Mesmo à distância o médico pode orientar os pacientes. Eu mesmo já orientei ações em outros estados, tanto por meio da Telemedicina quanto por meio de contato com os profissionais médicos que estavam assistindo o paciente em outro estado.

Pauta.Blog // Quais os riscos de não receber acompanhamento no início da Covid-19?
Antônio Bandeira // Os riscos são altos quando não se acompanha o paciente desde o início da doença. Isso porque a Covid-19 pode evoluir de forma muito diferente de paciente para paciente. E assim uma pessoa pode precisar de uma intervenção mais precoce do que outra. E nunca o paciente é capaz de se autodiagnosticar e muito menos se automedicar.

CURRICULUM
O médico infectologista Antônio Bandeira é especialista em arboviroses, participa como pesquisador e médico do Ensaio Clínico da Vacina da Dengue do Instituto Butantan e de inúmeras pesquisas relativas à Covid-19, inclusive com a descrição de casos de reinfecção pelo SARS-CoV-2. Exerce atividades na Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, onde coordenou o Comitê de Enfrentamento da Covid-19 e coordena o Serviço de Infectologia do Hospital Aeroporto. Professor da Faculdade de Medicina de Tecnologia e Ciências e preceptor da residência médica em Infectologia do Hospital Couto Maia.

Enderson Guinho tem mostrado bastante desenvoltura e experiência política

Leia em: 8 minutos

O vice-prefeito e Secretário Municipal de Esportes e de Lazer, Enderson Guinho (DEM), fala nessa entrevista bombástica sobre a sua caminhada política junto ao prefeito Augusto Castro, avalia a sua gestão, além de falar sobre a sua pré-candidatura a deputado federal, inclusive com uma possível dobradinha com a primeira-dama e Secretária Municipal de Combate à Pobreza, Andrea Castro. “Hoje, Andréa Castro é um nome que está sendo conversado”.

Também comenta sobre a sua filiação ao DEM e o compromisso de articular em Itabuna a candidatura de ACM Neto junto ao Governo da Bahia, bem como sobre sua relação política com a presidente do Cidadania, Mariana Alcântara. Confira os principais trechos.

Pauta.Blog // Enderson Bruno dos Santos. De onde vem o nome Guinho?
Guinho // Meu irmão se chama Gleidston e o apelido Gueu. Quando nasci meu pai Emerson escolheu Enderson, mas uma tia, para combinar com o meu irmão me chamou de Guinho e pegou. Com o passar do tempo ficou Guinho e pouco uso Enderson, é tanto que quando fui candidato a vereador usei “Enderson Guinho”.

Pauta.Blog // De onde vem o DNA de sua ascensão na política?
Guinho // Desde adolescente que trabalho com juventude na Igreja Católica, fui coordenador do grupo de adolescentes, depois grupo de jovens da Diocese de Itabuna que tem outras 18 cidades, e nessa luta quando via muitos jovens envolvidos no mundo das drogas sempre existia um desejo de discutir política pública para juventude, dando opções de emprego e lazer para a juventude. Nós sabemos que não se combate a criminalidade aumentando o número de viaturas e policiais, mas também com oportunidades. Quando você tem o esporte funcionando, educação, cultura e lazer dentro das comunidades, é dada a oportunidade para os jovens estarem distante da marginalidade.

No Brasil tem existido uma ascensão de novos nomes em busca de uma política mais transparente, mais limpa, e desde o início do meu mandato como vereador estive muito próximo das pessoas e elas perceberam que dentro de Itabuna existia um político jovem que era acessível para construir essa política. Com apenas dois anos de mandato coloquei meu nome como deputado estadual, as pessoas achavam ser loucura, mas eu estava analisando como era a política de Itabuna. E o resultado é que dentro da política que fiz enquanto vereador, a população teve um olhar diferente para o meu mandato, que me consagrou o terceiro candidato a deputado estadual mais votado em Itabuna, e dois anos depois sendo o vice-prefeito da cidade em uma chapa vitoriosa.

Pauta.Blog // Dos cargos já ocupados de vereador, vice-prefeito e secretário, qual foi ou tem sido o mais desafiador?
Guinho // Eu acredito que o de vereador porque é preciso atuar com 20 vereadores e se destacar entre todos é muito difícil. O resultado do seu trabalho é o voto, então se sobressair dentro de um colegiado, é preciso realmente atender as expectativas da população. Ser vereador é um desafio gigantesco. Para ser eleito você concorre com a cidade toda, é muito difícil chegar ao Parlamento Municipal, e ao chegar lá é preciso mostrar a população qual é a função do vereador, depois executar essa função com maestria e isso não é fácil!

Ser vice-prefeito também não é fácil, apesar das demandas do Poder Executivo recair sobre o prefeito, mas é muita coisa também com o vice-prefeito, principalmente pelo fato da nossa campanha ter sido muito casada e assim tem sido no mandato. Enquanto Secretário de Esportes também não tem sido fácil, porque pegamos um esporte falido e precisamos mudar essa situação.

Pauta.Blog // Como você avalia a cidade após Augusto e Guinho assumirem a Prefeitura de Itabuna?
Guinho // O que está sendo diferente na nossa gestão é que ela está sendo extremamente participativa. A comunidade está tendo a oportunidade de dialogar com o prefeito e as coisas serem construídas com a participação popular e de representações. Eu recebo em meu gabinete inúmeras pessoas dos bairros e de representações, e nós temos tentado atender as demandas do povo e isso cria uma aprovação popular.

O dia a dia também mostra essa aprovação com o atendimento de cobranças das gestões anteriores, como a retomada do atendimento portas abertas SUS no Hospital Manoel Novaes, a reabertura do Cemepi que ocorrerá no próximo mês, hospital de campanha que era o desejo da população, ações mais efetivas no combate à Covid-19, operação oxigênio funcionando diariamente, obras estruturantes como a da avenida Manoel Chaves, atração de empregos, temos o Atakarejo que será instalado a cidade, entre outras ações.

Pauta.Blog // Qual a nota você daria, hoje, para a sua relação com o prefeito Augusto Castro?
Guinho // Eu tenho uma relação muito boa. E me ouso a dar um dez. Eu e o prefeito dialogamos sempre, não existe nenhum tipo de problema, e isso tem sido importante para a cidade. Ele tem dado condições para que eu possa contribuir com a gestão. Tenho tido condições de trabalhar dentro da minha pasta e também em outras pastas, o que não acontecia em gestões anteriores e agora com Augusto tem sido desta forma. Sou grato a ele porque tenho conseguido mostrar também meu trabalho dentro do Executivo.

Pauta.Blog // Fala-se que o prefeito Augusto Castro irá fazer alguns ajustes na equipe de secretários. Você se sente seguro?
Guinho // Tenho conversado muito com o prefeito e tenho dito que as secretarias são de responsabilidade dele, a livre nomeação ou exoneração, então se eu tiver que ser substituído enquanto secretários nós vamos dialogar, assim como eu já disse que nós temos dialogado muito. O meu trabalho tem sido feito e o prefeito como gestor tem avaliado. Eu estou tranquilo em relação a isso. As secretarias são de responsabilidade dele e ele fará o que for melhor para a gestão.

Pauta.Blog // Procede a informação de que sua relação está em pane com Mariana Alcântara atual presidente do Cidadania, partido o qual você foi eleito como vice-prefeito?
Guinho // Da minha parte está tudo tranquilo. Conversei com ela desde quando decidir mudar em razão inicial da minha candidatura para deputado estadual e depois deputado federal, porque o partido tem perspectiva de eleger um deputado e o presidente [Joceval Rodrigues] tem essa candidatura [a federal] já declarada. Então optei por estar em um partido que tivesse maiores condições de ser eleito. A troca de partido foi necessária [recebeu um convite de ACM Neto]. Itabuna é carente de representação na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa, e a minha disponibilidade em colocar meu nome é legítima, é democrática, mas é claro que a população que vai analisar.

Pauta.Blog // Joceval Rodrigues disse que você esteve em Salvador para conversar quando estava saindo do PDT para ir para o Cidadania, mas o mesmo não ocorreu quando você optou por deixar o partido. O que o levou a não procurá-lo mais?
Guinho // Como a tratativa foi feita por aqui, aqui mesmo eu conversei com Mariana, e também em razão da situação de pandemia optei por resolver tudo por aqui, além disso, ACM Neto pediu celeridade na minha decisão porque havia outras pessoas também com interesse no partido, mas por eu já ter sinalizado interesse Neto optou por essa disponibilidade de me entregar o partido…

Pauta.Blog // …então Guinho que comanda o DEM em Itabuna?
Guinho // Com esse convite de ACM Neto eu me senti muito lisonjeado porque ele sempre foi avaliado como um dos melhores prefeitos do Brasil, fez um excelente trabalho em Salvador, e tem uma boa projeção para as próximas eleições. Então assumir o DEM em Itabuna, que é a quinta maior cidade do estado, é uma responsabilidade muito grande. Nunca estive na base do governador Rui Costa, somente quando era PDT, quando deixei o PDT fui para um partido que não era aliado ao Governo do Estado, era oposição, então hoje eu mantenho minha posição, não estando na base do Governo do Estado, só que indo para o DEM e assumindo em Itabuna essa articulação da candidatura de Neto junto ao Governo da Bahia.

Pauta.Blog // O deputado Rosemberg concedeu recente entrevista em relação a gestão do prefeito Augusto Castro, dizendo existir um problema que ele terá que enfrentar, que seria a sua candidatura porque Augusto é parceiro de Rui e consequentemente apoiará a candidatura de Jaques Wagner… Você acredita que essa situação poderá gerar uma fissura entre Augusto e Guinho?
Guinho // Esse comentário é visto por ele como um problema, para mim nunca foi, pelo fato de quando Augusto era candidato eu acreditei na sua candidatura e me coloquei vice, enquanto Rosemberg tinha outro candidato que era Geraldo Simões. O projeto de Augusto foi Guinho, quem acreditou e pediu voto para ele foi Guinho, não foi Rosemberg, que apoiou um candidato que teve quase quatro mil votos e foi derrotado.

Eu acredito é que é um privilégio para o Governo do Estado ter o apoio de Augusto, porque Rui Costa também não apoiou Augusto na sua candidatura, e eu me coloquei contrário ao Governo do Estado porque eu era oposição a Fernando Gomes, com denúncias gravíssimas da administração dele, Itabuna reprovava Fernando, e o Governo do Estado o apoiava. Eu não poderia dividir palanque com uma pessoa que estive durante todo meu mandato denunciando irregularidades. Não vou mudar meus princípios, meu jeito de pensar por conta de um cargo político.

Ninguém viu até aqui postura minha contrária ao governo do Estado, que venha prejudicar o prefeito. Eu e Augusto fomos parceiros na eleição, ganhamos e até aqui eu tenho sido parceiro, foi com quem eu fiz compromisso na eleição e tenho compromisso até aqui.

Pauta.Blog // Qual a sua eficaz estratégia para se eleger deputado federal?
Guinho // Visualizando essa real necessidade de representação da região Sul da Bahia, nós vamos levar esse discurso da representatividade. A região tem necessidade de uma maior atenção do governo federal, pois infelizmente pereceu nos últimos anos por falta de ações mais efetivas e de um político que possa lutar pela região. Nós temos condições de levar o Sul da Bahia para o Congresso Nacional e buscar recursos para a região.

Pauta.Blog // Já fechou com quem fará dobradinha em Itabuna?
Guinho // Hoje, Andréa Castro é um nome que está sendo conversado. Nós temos consciência da necessidade de dentro da nossa gestão ter um candidato a deputado estadual e federal, sabendo que o prefeito tem compromisso com Paulo Magalhães, que tem contribuído muito com a nossa cidade, então eu não vou colocar o prefeito contra a parede, jamais. Desde quando eu coloquei meu nome à disposição como federal, eu sabia que o prefeito tinha um compromisso partidário com o Paulo. Andréa Castro como deputada estadual dobra com muita gente [riso], inclusive com Paulo Magalhães, mas acredito muito que podemos formar uma dobradinha itabunense.

Pauta.Blog // Jovem, aos 28 anos, a meta de Guinho é ser prefeito de Itabuna?
Guinho // Confesso que tinha esse sonho, não vou dizer que tinha porque parece não querer mais, mas ao chegar aqui agente se depara com muitas situações que precisa mudar muita coisa, mas confesso que ao chegar aqui bate aquela insegurança, mas estarei sempre à disposição da população. Augusto tem feito uma gestão muito boa, acredito que Itabuna terá pela primeira vez um prefeito reeleito, e quem sabe num futuro agente pode representar Itabuna nesse Centro Administrativo.

LEIA TAMBÉM A COLUNA BALÃO DA POLÍTICA⤵️

Andrea Castro, Enderson Guinho, Pancadinha, Charliane, Colbert, Fernando Gomes, Ronaldo Abude e Oziel Aragão

Janaína Araújo, Secretária Municipal de Educação de Itabuna

Leia em: 7 minutos

A Secretária Municipal de Educação, Janaína Araújo, fala em entrevista ao Pauta.Blog sobre uma série de assuntos que envolvem a educação no município de Itabuna, inclusive o polêmico retorno das aulas no sistema presencial ou híbrido, explica o motivo das brinquedotecas estarem funcionando, e também sobre os desafios da pasta. “As brinquedotecas não se encaixam na educação e sim modalidade de lazer”. Confira!

Pauta.Blog // Quem é Janaína Araújo?
Janaína Araújo // Sou professora do quadro efetivo da Prefeitura de Itabuna desde 2002, já trabalhei internamente em alguns setores da Secretaria de Educação, fui professora de escola coordenadora de projetos, trabalhei com formação de professores, também sou advogada, fui cedida durante alguns anos ao Núcleo de Assistência Jurídica e agora estou de volta como Secretária Municipal de Educação.

Pauta.Blog // Quais os principais desafios enfrentados ao assumir essa pasta?
Janaína Araújo // São muitos, dentre eles, o fato de eu ser do próprio quadro por ter que lidar com os meus pares, meus colegas, não mais como professora mas como gestora de uma Secretaria muito grande, enfim, lidar com a gestão de um espaço e de um quantitativo de pessoas e de demandas tão grandes como a Educação.

Outro desafio é a estrutura física das escolas é algo que nos preocupa. Já discutir com o prefeito Augusto Castro a questão da licitação para reforma dos prédios públicos, porque nós temos uma equipe pequena no setor de infraestrutura para sanar pequenos problemas nesse período que antecede a licitação.

E o nosso maior desafio é a pandemia, que de fato acaba trazendo todas as consequências do que estamos vivendo. Nova estruturação de trabalho, tendo que pensar na nova proposta pedagógica porque encaminhamos ao Conselho Municipal de Educação a unificação dos anos letivos 2020/2021, porque a própria lei da pandemia nos permite isso, trabalho com bloco de atividades, o que agente nunca pensou em fazer, a possibilidade de usar alguns meios tecnológicos para contato com os alunos, e o desafio maior que tem sido cobrança de uma parte da sociedade que é o retorno das aulas no sistema presencial/híbrido. Até fizemos consulta pública para saber a opinião da sociedade, por amostragem, e a maioria foi contra o retorno. A gente tem agora o desafio enorme que é estruturar as escolas para um possível retorno híbrido.

Pauta.Blog // Quantas escolas públicas o município tem e quantas estão prontas para o retorno das aulas?
Janaína Araújo // Temos 71 escolas na zona urbana e 21 na zona rural, dentre essas não sei precisar, o que posso precisar são as que estão com problemas, porque esse tem sido o nosso maior foco nesse momento e tratadas como prioridade para licitação. Seis estão com problemas graves na estrutura física, telhado, e as quatro escolas prováveis para o vetor disciplinar. As demais nós conseguimos trabalhar com a estrutura que tem. Provavelmente 85% das escolas prontas para o retorno.

Pauta.Blog // Não é necessário reformar as 10 salas para voltar às aulas?
Janaína Araújo // O que pensamos é que a decisão de retorno envolve muito mais o peso da saúde do que a questão pedagógica. E não vamos tomar decisão de forma unilateral. Para isso instituímos uma comissão com representantes de vários segmentos para avaliar a situação. Oficiamos inclusive o Ministério Público para que enviasse um representante para compor a comissão, mas eles disseram que não irá compor a comissão diretamente, por ser um órgão fiscalizador, mas estarão disponíveis para toda situação opinativa. Marcaremos uma reunião para o mais tardar terça-feira [dia 15 de junho], da próxima semana.

Pauta.Blog // Qual o percentual de profissionais da educação que estão vacinados?
Janaína Araújo // Não sei mensurar hoje [4ª feira, 9.junho]. Sabemos que parte desses profissionais já foram vacinados com as duas doses.

Pauta.Blog // O ano letivo 2020 foi encerrado?
Janaína Araújo // O ano letivo 2020 iniciou em 14 de setembro de 2020, naquele momento pensado para encerrar em maio de 2021, porém, quando assumimos a gestão e vimos a proporção que essa pandemia estava tomando, pensamos em unificar os dois anos letivos para garantir 800 horas de trabalho, sem necessariamente 200 dias letivos. E assim fizemos uma nova proposta e apresentamos ao Conselho Municipal de Educação, que aprovou, garantindo as 800 horas de trabalho, matrícula automática e o famoso conselho de classe que acontecerá uma vez e não duas, para os dois anos.

Pauta.Blog // Itabuna está há quase 450 dias sem aulas presenciais?
Janaína Araújo // Itabuna tem um diferencial em relação às outras cidades e governo do estado é que ficamos distante dos alunos entre março e setembro/2020, sendo que outras cidades ficou o ano de 2020 todo.

Pauta.Blog // Na sua opinião, quem arcará com o “gap” educacional, cognitivo e psicólogico desta geração que ficou de março a setembro sem aulas?
Janaína Araújo // Sabemos que existirá prejuízo. Sou pedagoga, sou mãe e sei da importância da interação na Educação Infantil para o desenvolvimento humano, trabalhei com psicopedagogia e com Educação Inclusiva, e sabemos que a interação gera diferencial na aprendizagem. Vivo isso com minha filha que pede todos os dias para ir para escola, só que estamos num momento que precisamos garantir algumas coisas que são anteriores a aprendizagem efetiva, e isso está na Constituição: nós temos três valores a serem preservados na ordem apresentada – Vida, Saúde e Educação – e é isso que estamos fazendo.

É complicado tomar uma decisão dessa porque quando retomar essa atividade você não abre unicamente o espaço escolar, retoma à vida normal em vários serviços e setores, como por exemplo, retoma o Serviço de Merenda Escolar que existe todo um protocolo a ser seguido e que não teremos condições de fazer essa fiscalização, inclusive o Conselho de Educação e de Alimentação Escolar. Retoma também o Transporte Escolar que certamente não teremos como fiscalizar todo esse trabalho, e retoma o aumento da quantidade de alunos frequentando o transporte público, entre outros. Esses são alguns dos dificultadores e que nos preocupa bastante.

Pauta.Blog // Está faltando ou ainda não chegou um planejamento ideal que envolve logística para o retorno das aulas?
Janaína Araújo // Existe esse planejamento, mas isso não significa que ele vai acontecer da forma pensada.

Pauta.Blog // Muitos tem sido os questionamentos sobre a reabertura de bares, shopping, eventos, entre outros e por que as escolas não?
Janaína Araújo // Nós temos uma responsabilização diferente quando se trata de menor, o adulto tem a sua opção de ir ou não, mas quando trabalhamos com menor não agimos sozinhos, envolve o Ministério Público e por isso chamamos o MP para participar da comissão, e que já se posicionou da forma que vai atuar.

Não adianta a gestão determinar o retorno das aulas e o MP no mesmo dia dizer não sob o argumento de que estamos tratando de menores e o MP não está participando da demanda, e isso pode acontecer. Não estamos lidando com maiores de idade e sim menores.

Pauta.Blog // A baixa transmissão do coronavírus entre as crianças tem sido noticiado entre profissionais da área de saúde… como você analisa essa questão?
Janaína Araújo // Já ouvíamos falar isso desde o começo, inclusive que só atingia os idosos e isso foi comprovado que não. Da mesma forma falava-se que não atingia crianças, e também foi comprovado que não, já ocorreram inclusive mortes de bebês, crianças e adolescentes, adultos em todas as faixas etárias.

A ciência está a todo tempo atuando e pesquisando e os estudos acabam sendo modificados. Inicialmente, até o momento, esse vírus pode não se desenvolver na criança, mas ainda assim a criança é o maior vetor de transmissão.

Pauta.Blog // Como você analisa a possiblidade do fechamento de 33 escolas da rede particular, em razão do não retorno das aulas presenciais?
Janaína Araújo // Entendo que é um momento difícil, inclusive para nós enquanto gestão. Infelizmente a gente tem vivido um momento em que a economia tem sofrido impacto em diversos setores, não somente as escolas, isto é uma consequência de toda essa problemática que estamos vivendo.

Acredito que a educação infantil está mais sofrendo essas consequências, porque é mais difícil haver uma interação on-line. Eu tenho filha em casa nessa fase de 3 anos e minha experiência enquanto mãe não foi positiva e isso acaba tendo um reflexo nas escolas que trabalham com a educação infantil porque a gente sabe que a interação é a maior fonte de aprendizagem.

Eu aproveito para esclarecer a questão das brinquedotecas, que não se encaixam na educação e sim modalidade de lazer, não tem obrigatoriedade de cumprir um currículo estruturado, carga horária.

Pauta.Blog // A Bahia recebeu nota zero e ficou em último lugar no índice de Educação à Distância. Abrir as escolas não iria na contramão dessa rota educacional negativa?
Janaína Araújo // A Bahia saiu em zero não foi pela avaliação, foi pela falta de trabalho realizado.

Pauta.Blog // Qual o posicionamento final do governo municipal para a volta às aulas?
Janaína Araújo // É fazer uma nova reunião com a comissão e sair de lá com outros critérios a serem estabelecidos e cumpridos, mas o que ficou estabelecido na última reunião foi prioridade na vacinação dos profissionais da educação e a realização da consulta pública e isso foi feito. A partir desse segundo momento tomaremos decisão em conjunto para serem definidos os próximos passos.

👉 Leia também a coluna Balão da Política e acompanhe o sobe e desce dos políticos.

O prefeito Augusto Castro falou de ações em diversos áreas e setores do municípios

Leia em: 2 minutos

Com a proximidade do aniversário de emancipação política e administrativa de Itabuna, em 28 de Julho, o prefeito Augusto Castro anunciou nesta 4ª feira (9.junho), durante entrevista no Balanço Geral, da Record TV, um pacote de obras com previsão de algumas inaugurações já no dia 28 de julho, e outras no decorrer dos próximos meses.

“Fizemos várias ações importantes ao longo desses quase seis meses de governo, inclusive com foco no servidor público municipal, como, por exemplo, o pagamento rigorosamente em dia do salário dos servidores e discussão de reposição salarial com correção e reajuste do ticket alimentação”, pontuou.

Ele lembrou que em razão do momento de pandemia o foco está na área da saúde, mas isso não quer dizer que as outras áreas ficarão esquecidas, a exemplo da educação. “Estive em Salvador e o governador sinalizou interesse em construir um grande complexo educacional na área do bairro Califórnia”.

O prefeito Augusto Castro também comentou que as ações na área social estão avançando, a exemplo do Restaurante Popular que deve ser inaugurado em breve, doações de cestas básicas, peixe na Semana Santa, entre outros.

SAÚDE

Já para o dia 28 de Julho, ele anunciou a reinauguração da nova Policlínica Municipal que terá novas instalações na Avenida Beira Rio, e reforma e ampliação de serviços no hospital de base. “A Policlínica terá uma nova estrutura contando com equipamentos de ponta e centro cirúrgico para pequenas cirurgias. Já o hospital de base contará com a reforma em sua parte estrutural e ampliação de serviços na área de neuro, especificamente no setor de imagem”.

O prefeito também anunciou apoio para reabertura do Novo Hospital Cemepi, por meio de emenda parlamentar do deputado federal Paulo Magalhães. “Gostaria de agradecer ao Paulo Magalhães que liberou emenda parlamentar para reforma do Cemepi que voltará a atender pacientes SUS”.

E completou: “Será um hospital privado, mas com contrato com a Rede Municipal. Estou muito feliz porque viabilizamos parcerias para equipar o Cemepi, que passará a ter uma grande estrutura de hospital municipal”. Ele também lembrou que está em fase de elaboração o projeto do Hospital Materno-Infantil de Itabuna, que deverá ser entregue num prazo de até dois anos.

OBRAS

A expectativa é de também entregar durante as comemorações do aniversário de Itabuna, o novo canal do bairro Santo Antônio, dando dignidade aos moradores da localidade. “Este mesmo serviço também queremos levar para fazer nos canais do Califórnia, São Caetano, Vila Anália, enfim, diversos bairros que necessitam desse tipo de intervenção”.
E anunciou que para isso o município já adquiriu máquinas e equipamentos como Patrol, Retroescavadeira, tudo para que possa facilitar o trabalho do município. “Não canso de agradecer ao deputado Paulo Magalhães e ao Senador Otto Alencar, grandes parceiros de Itabuna”.

E finalizou anunciado para o dia 28 de Julho, a entrega da primeira etapa das obras da avenida Manoel Chaves, e da requalificação do trevo da BR-101 que dá acesso a Itabuna pela avenida Itajuípe, e do viaduto até o Itão, no centro comercial, com pavimentação, nova iluminação, sinalização, entre outras ações.

Ex-prefeito de Itabuna e ex-deputado federal, Geraldo Simões (PT)

Leia em: 6 minutos

Nesta entrevista com o ex-prefeito de Itabuna e ex-deputado federal, Geraldo Simões (PT), ele fala de seus projetos políticos, avalia o cenário atual da administração municipal, fala de novos contatos políticos que podem render frutos num futuro próximo, além de pincelar comentários sobre a política estadual e nacional, principalmente quando se fala em Lula e Rui Costa. Ainda sobre Itabuna, dar uma alfinetada no atual gestor, dizendo que ele não tem feito os pleito adequados ao governo do estado.

“O município não pode gastar os cartuchos que tem pedindo para recuperar avenida, posto médico, escola e vila olímpica. Nós temos que pedir obras, do tamanho e da importância de Itabuna”. Confira!

Pauta.Blog  Quais foram os seus projetos, tanto na área pessoal e política, nestes quase dois anos de pandemia?
Geraldo SimõesNeste período seguir a recomendação da Organização Mundial de Saúde no que diz respeito aos cuidados e ao distanciamento social. Fui candidato a prefeito, aproveitei o espaço da campanha para divulgar também  recomendações a respeito da Covid-19. Estão sendo quase dois anos de muitas dificuldades para todos os  brasileiros.

Pauta.Blog  Muitos falam que você preferiu se manter isolado na praia. Muita sombra, água fresca, mas e a política, como ficou?
Geraldo SimõesNão fui para praia. Estive de férias com os netos e Tiago, em Salvador, mas sempre me informando sobre a política nacional com a turma do PT, o Senador Jaques Wagner e vários deputados amigos. Estive focado no distanciamento social, mas antenado com as coisas que estavam acontecendo no Brasil, mas sempre ciente de que o mais importante neste momento não é o debate e sim a união de todos contra à Covid-19.

Pauta.Blog  Amante da política como sabemos, você deve acompanhar a política diariamente, principalmente no cenário local. Qual a sua avaliação?
Geraldo SimõesAvalio um momento muito favorável para os candidatos do Partido dos Trabalhadores em Itabuna. Pelos feitos, pelas realizações do PT na cidade, seja no Governo, Lula, Dilma, Rui Costa e Wagner. Se analisarmos a história da cidade nunca teve os investimentos que ocorreram nesse período, como por exemplo, a Barragem Rio Colônia, a UFSB, o gasoduto, a policlínica, o teatro municipal, quase 10 mil unidades do Programa Minha Casa Minha Vida, pavimentação, saneamento básico, vários investimentos na saúde… enfim, Itabuna nunca registrou um período de tanto investimentos do governo federal, e por isso acho que temos uma conjuntura favorável para uma eleição de Lula, Presidente, e Wagner Governador.

Pauta.Blog  Recentemente você esteve com Dr. Mangabeira. É verdade que você o incentivou a permanecer na política? Porque?
Geraldo SimõesMangabeira é um quadro importante na política de Itabuna, participou de três eleições, uma para deputado federal e duas para prefeito e obteve excelente votação. Eu de fato disse a ele que ele está credenciado a disputar qualquer eleição. Eu disse inclusive que seria uma perda para cidade se ele desistisse da atividade política.

Relembre aqui ⤵️

Geraldo Simões e Dr. Mangabeira se encontram para discutir o governo do prefeito Augusto Castro

Pauta.Blog Existe a possibilidade de vocês serem adversários políticos nas próximas eleições municipais, ou uma união?
Geraldo SimõesNo bate-papo que tivemos identificamos que nós temos avaliações sobre a difícil situação que Itabuna atravessa muito comuns, e que também temos soluções comuns. Então vamos em frente, o futuro é que dirá como vai ser a nossa relação com Dr. Mangabeira.

Pauta.Blog Caso tivesse sido eleito nas eleições de 2020, o que você teria feito de diferente com relação a gestão do atual prefeito Augusto Castro?
Geraldo SimõesNum governo nosso eu trabalharia dia, noite, final de semana, feriado e dia santo para o enfrentamento da covid-19. Não é possível que numa crise dessa, Itabuna com tantas mortes e tantos infectados, e só tem vacina em um turno e ainda parar no final de semana e feriado. Eu iria ainda além da vacina da covid-19. A saúde está do mesmo jeito que no governo passado, com unidades básicas de saúde desestruturadas e o centro de referência em saúde também, portanto, seis meses de governo e não teve nenhuma alteração significativa na saúde de Itabuna.

Eu também daria amparo as pessoas que estão empobrecendo. Itabuna está entrando no mapa da fome. Eu daria toda atenção a população empobrecida de Itabuna e buscaria apoios para gerar emprego, movimentar a economia e melhorar a educação.

Pauta.Blog  De zero a dez, qual nota você dar a gestão do prefeito Augusto Castro?
Geraldo SimõesAvalio que o governo está sem foco, sem prioridades, portanto, eu daria nota 5, orando para que melhore.

Pauta.Blog  Como você avalia um governo que apoia Rui Costa, mas que tem um vice-prefeito que já declarou o seu apoio a ACM Neto?
Geraldo SimõesPode ser uma situação verdadeira e que vem mostrar que o alinhamento entre o vice e o prefeito é somente para questões administrativas, ou se trata de uma encenação. Isso só o futuro dirá, o que de fato corresponde a esse posicionamento deles.

Pauta.Blog  Quais são os seus planos políticos: será candidato a deputado em 2022?
Geraldo SimõesMeu plano é praticar o distanciamento social, observando todos os cuidados com a covid-19, além de transmitir essas informações para meus amigos e comunidade, e no momento certo fazer a campanha de Lula para Presidente, Wagner para Governador, o Senador será o que a majoritária escolher. Em relação aos deputados não tenho nada decidido ainda, vamos ouvir alguns amigos e companheiros para tomar uma decisão.

Pauta.Blog  Você acredita na “exaustão” do PT na Bahia, ou Jaques Wagner vai surfar bem na sucessão de Rui Costa?
Geraldo SimõesNinguém enjoa o que é bom. Wagner fez dois governos extraordinários, ajudou na eleição de Rui na primeira e segunda eleição, por sua vez, Rui Costa está fazendo um grande governo com muitas obras no interior e tendo boa avaliação, então eles dois estarão unidos para continuar!

Pauta.Blog  Existe alguma “rusga” com o governador Rui Costa ou é intriga da oposição?
Geraldo SimõesAbsolutamente não tenho rusga nenhuma com Rui. Nós fomos companheiro na CUT, companheiros no PT, no Governo Wagner, como deputado federal… não tem nada disso. Torço e trabalho pelo sucesso de Rui e pela eleição para governador de Jaques Wagner e reconheço que Rui é um grande governador da Bahia.

Pauta.Blog  Atuando como consultor político, o que você diria ao presidente Jair Bolsonaro no tangente ao enfrentamento à Covid-19?
Geraldo SimõesBolsonaro tem que deixa de brinca de ser presidente, porque já causou a morte de mais de 450 mil pessoas e contratar gente capaz no Brasil para cuidar da saúde. O resto é irresponsabilidade e cegueira desse presidente.

Pauta.Blog  A eleição no Brasil será polarizada mesmo entre Lula e Bolsonaro, ou você acredita que nascerá uma terceira via?
Geraldo SimõesLula teve esse retorno no primeiro turno, nas pesquisas em 2018, só que armaram aquela onda de lava jato tiraram ele com a sua prisão, colocando um presidente irresponsável que está causando um estrago no país. Não acredito em terceira via, acredito em uma disputa com Lula e o atual presidente. O povo vai reparar o erro e Lula retornará presidente para ser melhor do que foi nas outras duas vezes.

Pauta.Blog  Você acredita na vitória de Lula no 1º turno ou será páreo duro até o segundo turno?
Geraldo SimõesIndiferente. O importante é que Lula seja eleito Presidente da República. Vamos trabalhar!

Pauta.Blog  Quais são as suas considerações finais?
Geraldo SimõesNo meu entendimento, o governo municipal não tem feito os pleitos mais adequados ao governador Rui Costa, que tem grande estima por Itabuna. O município não pode gastar os cartuchos que tem pedindo para recuperar avenida, posto médico, escola e vila olímpica, porque isso dá para fazer perfeitamente com os recursos do município.
Nós temos que pedir obras, do tamanho e da importância de Itabuna, como por exemplo, saneamento básico, a coleta e tratamento de 100% do esgoto, corrigir distorções no sistema de abastecimento de água da cidade, a despoluição do Rio Cachoeira, o Porto Seco, um dos mais importantes que pode ser aqui em Itabuna.

A prefeita Eunice tem como destaque do seu governo a presença feminina

Leia em: 4 minutos

O Pauta.Blog apresenta nesta entrevista com a prefeita de Nazaré (Recôncavo Baiano), Eunice Barreto Peixoto (DEM), um balanço das ações da gestora dos últimos 150 dias de governo, paralelo ao mandato anterior. Ela fala das principais ações nas áreas da saúde, educação, obras, entre outras. E cita que sua meta é tornar Nazaré mais atrativa e bonita, de modo a despertar a atenção dos turistas. Não perca!

Pauta.Blog – Quais projetos mais importantes precisam ter continuidade no seu governo?
Eunice Barreto – Nos últimos quatro anos realizamos diversos projetos e ações que mudaram, positivamente, a vida de cada nazareno. Nossa gente pôde voltar a sorrir e resgatar o orgulho de ser filho da Terra Morena. Principalmente porque investimos maciçamente nas áreas da saúde, educação e infraestrutura. Dessas três esferas que citei, acredito que a ampliação das escolas de tempo integral, inclusive fomos destaque no IDEB de 2020, também, a continuidade dos diversos serviços ofertados no Complexo Municipal de Saúde Dep. Luís Eduardo Magalhães (composto por uma Policlínica, Centro de Reabilitação e um Centro Odontológico) implantado em nossa gestão. Na infraestrutura, o trabalho de pavimentação de ruas e construção de áreas de lazer, dando dignidade aos moradores de cada localidade que recebem essa intervenção.

Pauta.Blog – Como se encontra a prefeitura, financeiramente falando?
Eunice Barreto – Sempre busquei trabalhar com os pés no chão. O equilíbrio financeiro é primordial para que nosso planejamento possa ser executado da melhor forma possível. Então, junto com nossa equipe da Secretaria da Fazenda, trabalhamos incansavelmente para captarmos o máximo de recursos e que possam ser gastos da forma mais acertada. Não é fácil, principalmente gerir um município durante uma crise econômica e logo após uma pandemia que afetou tanto aos municípios. Mas, como disse, o resultado positivo surge a partir de um bom planejamento. E isso pode ser visto em Nazaré, com a aplicação dos recursos em escolas reformadas, inúmeras obras, novos equipamentos na área da saúde, acompanhamento efetivo às famílias em situações de vulnerabilidade e demais ações que beneficiam nossa gente.

Pauta.Blog – Fale um pouco das suas primeiras ações nestes momento?
Eunice Barreto – Continuar com o que vinha dando certo. Paralelo a isso, cumprir com alguns projetos que foram expostos à população durante o pleito eleitoral. Estamos trabalhando duro no projeto de requalificação urbanística de Nazaré, tornando-a mais atrativa e bonita, despertando a atenção em turistas a visitar nossa cidade. A exemplo disse é a nova passarela, que já um novo cartão postal, a Praça dos Caxixis, que já teve sua 1ª etapa concluída e logo iniciaremos a nova orla.
Outra importante ação é a implantação de uma fábrica que já está em fase final. A R2 Injetados do ramo calçadista já está em fase de instalação de seu maquinário e em pouco tempo entrará em operação ofertando inicialmente 70 empregos diretos, podendo chegar a 150 empregos, o que aquecerá a economia nazarena. Estamos também iniciando o estudo para implantação dos programas Mulher Forte, Acreditar e Minha Casa é Massa. Programas que terão um forte cunho social e que certamente mudará a vida de diversas pessoas.

Pauta.Blog – Quais as prioridades do município?
Eunice Barreto – Nossa prioridade é continuar gerando emprego e renda para nossa gente, sendo destaque na educação, como há décadas atrás Nazaré tinha esse reconhecimento. Recebendo prêmios por sermos exemplo em gestão de saúde, como o prêmio dado pelo Conselho Estadual dos Secretários Municipais de Saúde da Bahia (COSEMS/BA), “Aqui tem SUS”, por ofertarmos um SUS diferente e cada vez mais humano para nossos munícipes. Relacionado à pandemia, estamos cada vez mais empenhados na proteção de nossa gente, onde somos referência na vacinação contra a Covid-19 em nossa região, protegendo assim o povo de Nazaré e demais municípios. Nossa prioridade também é ver o sorriso no rosto das pessoas ao verem suas ruas pavimentadas e novas áreas de lazer dando mais qualidade de vida e alegria aos nazarenos.

Pauta.Blog – Quais as principais ações destes 150 dias de governo?
Eunice Barreto – Já realizamos muito nestes 150 dias de governo. Iniciamos o ano com o mesmo desempenho desses 4 anos, dando gás nos projetos que já tínhamos em andamento e organizando os próximos para retomar tudo o que a pandemia pausou. Iniciamos a vacinação contra o coronavírus, inauguramos Unidade de Pronto Atendimento, a Passarela Carlos Longa, a Praça da Feira de Bananas, pavimentações novas em mais de seis ruas e um trabalho constante, diário de limpeza e organização da cidade, com a requalificação das vias públicas e, recentemente, a primeira etapa da sinalização turística em toda a cidade! Com estas realizações, temos movido os vários setores da cidade, inclusive o econômico, com a chegada da fábrica RDois Injetados, que vai iniciar produção em breve, trazendo emprego, renda e qualidade de vida para todos os munícipes.

Pauta.Blog – A presença feminina no seu governo é marcante. O que a população de Nazaré pode esperar desse diferencial?
Eunice Barreto – A mulher vem sendo destaque na política nos últimos anos. Sabemos que não é fácil, porém, nós estamos lutando cada vez mais por nossos espaços. E eu como incentivadora desse processo, sendo a primeira mulher a gerir Nazaré, tenho feito isso aqui na gestão municipal. Das dez secretárias municipais, seis são comandadas por mulheres, além da maior parte do nosso funcionalismo ser composto também por mulheres. Nosso time é forte, no dia a dia temos demonstrado nosso diferencial e assim temos atingindo importantes resultados, deixando um exemplo e legado para as demais mulheres nazarenas.

O presidente do PDT na Bahia e deputado federal, Félix Mendonça Júnior

Leia em: 5 minutos

Em entrevista exclusiva ao Pauta.Blog o presidente do PDT na Bahia e deputado federal Félix Mendonça Júnior, fala de forma bombástica sobre o seu relacionamento político com o governador da Bahia, Rui Costa (PT), sobre a atuação do partido em Itabuna, e muito mais. Confira!

Como o deputado federal Félix Mendonça tem ajudado Itabuna e região?
Félix Mendonça Júnior – Eu nasci em Itabuna. Meu pai foi prefeito de Itabuna. E me sinto um representante de todo o sul da Bahia. Dessa forma, tenho trabalhado sempre para ajudar a região, seja na destinação de recursos via emendas parlamentares, projetos e a própria atuação política.

Recentemente nos empenhamos para aprovar na Câmara a renegociação das dívidas dos produtores de cacau, apresentando emendas ao relatório da Medida Provisória do Governo Federal que teve esse objetivo. Temos cobrado medidas contra a importação exagerada de cacau com incentivos fiscais, exigindo providências do Ministério da Economia e também junto ao Ministério Público do Trabalho, já que muitos países que exportam o produto utilizam mão de obra análoga à escravidão. Isso tudo visa defender o produtor local, este sim que deve ser incentivado.

No que se refere à pandemia, garantimos mais de R$8 milhões de emendas à saúde para o Governo da Bahia aplicar também na melhoria da estrutura de atendimentos do sul da Bahia.

Enfim, estamos atentos às demandas da região e meu gabinete está sempre aberto para a população de Itabuna e região.

Você convidou o Dr. Mangabeira para seguir à frente do Partido em Itabuna. Ele já confirmou que seguirá no comando?
Félix Mendonça Júnior – Ele disse que iria pensar. A gente não pode perder pessoas como Mangabeira na política. Quero que ele continue na política, de preferência no comando do PDT em Itabuna. É uma pessoa conceituada, ele e a esposa. Engrandecem a política, não só o PDT. Espero sinceramente que ele decida continuar na política e no nosso partido, defendendo bandeiras como a melhoria da saúde e da educação da população, além do trabalhismo.

Entenda mais ⤵️

Félix pede que Dr. Mangabeira continue à frente do PDT de Itabuna

Caso Dr. Mangabeira deixe o comando do partido em Itabuna, qual destes nomes assumiriam o posto: o vereador Dando Leone ou ex-vereador Glebão?
Félix Mendonça Júnior – Doutor Mangabeira, mesmo se não quiser permanecer na política, vai coordenar um processo transitório no PDT. Ele não deixaria o partido abruptamente. Meu pedido é que ele fique, mas se ele quiser ter uma vida apenas fora da política, ele vai seguir organizando o partido e é ele quem vai decidir o futuro do PDT em Itabuna.

Segundo o colunista Marco Wense ⤵️

Wense: Mangabeira vai dizer não ao pedido de Félix

Nos bastidores dizem que o ex-prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo, lhe procurou para ser candidato a deputado federal pelo PDT. Foi batido o martelo?
Félix Mendonça Júnior – Não houve essa conversa.

Foi surpresa a saída do PDT da base do governador Rui Costa (PT), ou era algo já esperado e porque?
Félix Mendonça Júnior – Nós estávamos na base do governo porque fomos convidados e porque apoiamos Rui Costa em 2018. E estamos saindo da base por causa das eleições de 2020 em Salvador, quando indicamos a vice-prefeita Ana Paula Matos, e apoiamos a candidatura de Bruno Reis, ou seja, estamos saindo da base por ciúmes do governador (Rui Costa). Porque sempre honramos todos os nossos compromissos, apoiamos o governo Rui Costa e trabalhamos para ajudar a Bahia.

Veja o desempenho do agronegócio baiano mesmo durante a crise sanitária? Nos últimos dois anos o setor cresceu 17% no estado, e era comandado, nesse período, pelo pedetista Lucas Costa, indicado por nós. Na Junta Comercial da Bahia (Juceb), que comandamos, nunca foi feito tanto para simplificar a criação de empresas. Tanto que o número de empresas criadas bateu recorde mesmo durante a pandemia. A Juceb acabou com o papel, modernizou a estrutura num trabalho intenso feito por Andréa Mendonça, nossa indicada.

Estamos deixando o governo com a sensação do dever cumprido, pois ajudamos a melhorar a vida das pessoas.

Esta saída do PDT da base do governador tem ligação direta com à Prefeitura de Salvador, já que a vice-prefeita é do PDT?
Félix Mendonça Júnior – Sim, como falei acima. Ciúmes do governador Rui Costa. O acordo que fizemos em 2018 não envolvia a eleição de 2020. O governador sabe disso.

Podemos dizer que o PDT na Bahia está rachado, já que alguns deputados anunciaram que permanecerão na base do governador?
Félix Mendonça Júnior – O PDT não está rachado. O partido é como um trem e suas estações. Alguns entram e alguns
saem das estações, mas o partido continua. O PDT vai chegar forte nas eleições de 2020. É um excelente caminho para quem quer fazer uma política sem radicalismos, sem extremismos, a boa política do diálogo.

Analisando a atual conjuntura….o PDT estando fora da base e Ciro sinalizando para ACM Neto, o PDT poderá apoiar ACM Neto em 2022?
Félix Mendonça Júnior – Estamos conversando com ACM Neto e com outras lideranças. O PDT é independente, e não há alinhamento automático com ninguém. Reconhecemos que ACM Neto fez uma excelente administração em Salvador, e que é um nome bem colocado no tabuleiro de 2022. Mas ainda estamos conversando, e essa conversa foi iniciada pela Executiva nacional do PDT, que espera um apoio do ex-prefeito de Salvador à candidatura de Ciro Gomes à Presidência.

Na sua avaliação, o PDT sozinho, sem uma união dos partidos para uma terceira via, Ciro teria condições de ir para um segundo turno?
Félix Mendonça Júnior – No primeiro turno, todos os partidos deveriam indicar candidatos. O ideal era que o PDT pudesse ter candidato, inclusive. Se não houver essa possibilidade, iremos apoiar alguém. Já o segundo turno é outra eleição. Esperamos que Ciro esteja no segundo turno, e vamos trabalhar para isso, até porque ele é o nome mais capaz para governar o Brasil.

Como fica o PDT na Bahia em um eventual segundo turno entre Lula e Bolsonaro?
Félix Mendonça Júnior – Vamos estar com Ciro Gomes.

Em um eventual 2º turno entre Lula e Bolsonaro, em quem você votaria?
Félix Mendonça Júnior – Não temos dúvidas de que Ciro Gomes estará no segundo turno.

Advogado e professor universitário Dr. Leandro Alves Coelho

Leia em: 5 minutos

No décimo ano de fundação da Academia de Letras Jurídicas do Sul da Bahia (ALJUSBA), hoje 20 de maio, entrevistamos o advogado e professor universitário Dr. Leandro Alves Coelho, um dos seus fundadores e o seu histórico primeiro presidente.

Coelho é um advogado militante com pós-graduado em Metodologia do Ensino Superior com especialização em Direito Tributário pela Unisul. Mestre em Planejamento e Gestão Ambiental com ênfase em Tributação e Meio Ambiente pela Universidade Católica de Salvador (UCSAL). Professor de Graduação e Pós-graduação. Membro-fundador e ex-presidente da Academia de Letras Jurídicas do Sul da Bahia (ALJUSBA) e autor do livro “ICMS Ecológico – Aplicável à área de influência do Complexo Intermodal do Sul da Bahia”.

Quem são os fundadores da Academia de Letras Jurídicas do Sul da Bahia (ALJUSBA)?
Leandro Coelho – Sem sombra de dúvida, o idealizador da ALJUSBA, é o advogado e professor Vercil, Rodrigues, que junto comigo, Leandro Alves Coelho, Dr. José Carlos Oliveira, Dr. Cosme Reis e Dr. Paulo Bomfim fundou a Academia, no dia 20 de maio de 2011, portanto, a 10 anos, na cidade de Itabuna, apesar da ‘Casa das Letras Jurídicas”, pertencer aos operadores do Direito e juristas do Sul da Bahia.

Como surgiu ALJUSBA?
Leandro Coelho – Surgiu de um anseio da comunidade jurídica sulbaiana em ter uma instituição que pudesse reunir os grandes nomes do mundo jurídico em nossa região. Sabíamos que já existia a Academia de Letras Jurídicas da Bahia com sede em Salvador, mas a mesma não oportunizava de forma igualitária espaço de divulgação de nomes de destaques de outras regiões que não aqueles atuantes em Salvador. Sendo assim, a ALJUSBA veio para atender esse anseio de toda comunidade do Sul do estado em busca de espaço, reconhecimento e visibilidade.

Como se deu seu o processo de criação e estruturação da ALJUSBA?
Leandro Coelho – Inicialmente, com a ideia em mente de alguns dos fundadores, o primeiro passo foi fazer o levantamento histórico dos patronos e dos “imortais” que iriam compor as cadeiras, bem como quais eram seus respectivos legados para a comunidade jurídica. É de bom alvitre informar que a academia contou com os préstimos de Vercil Rodrigues, pois o mesmo além de ser jurista é, antes de tudo, historiador, tal fato auxiliou demais na compilação de dados acerca daqueles que comporiam a nossa academia de letras jurídicas sulbaiana, sediada em Itabuna.

Como ocorreu o processo de escolha dos integrantes da academia, os imortais?
Leandro Coelho – Nesse aspecto tínhamos um propósito de compor a Academia com integrantes de todos os ramos de atuação do Direito, ou seja, juízes, advogados, promotores, professores universitários de cursos de Direito, delegados, servidores público dos tribunais, desde que todos eles tivessem um ponto de convergência, qual seja, a produção literária no âmbito da ciência jurídica. E assim foi feito.

Com foi a recepção da ideia de formação da ALJUSBA pelos escolhidos a ocupar uma cadeira como imortais?
Leandro Coelho – Foi a melhor possível. Como não se empolgar com um convite desta natureza? Foi uníssona a recepção da ideia por todos escolhidos, que diga se de passagem foram democraticamente eleitos em votação secreta pelos membros fundadores da “Casa da Letras Jurídicas Sulbaiana”, pois era extensa a lista. Me recordo que todos receberam a ideia com muito entusiasmo e empolgação.

Depois da compilação dos dados históricos e a escolha dos imortais e patronos, quais foram as ações realizadas pelos fundadores da ALJUSBA?
Leandro Coelho – Primeiro passo foi a votação do Regimento e Convenção da Academia, logo em seguida foi necessário formalizar os atos constitutivos como a criação de uma pessoa jurídica própria, bem como, a realização de todos os atos escriturários para que a ALJUSBA pudesse ter personalidade jurídica própria, de modo a atender todas as formalidades necessárias para que ela, de fato, saísse do papel. Nesse interim mais uma vez a pessoa do Dr. Vercil Rodrigues com o meu apoio, de Dr. José Carlos Oliveira, Paulo Bomfim, dentre outros, foram essenciais para a finalização dos demais detalhes formais. Após todas as burocracias, encomendamos as becas, insígnias personalizadas e logomarca para a ALJUSBA, o que não poderia faltar diante das grandiosidade da instituição.

Como ocorreram a posse e a instalação da ALJUSBA?
Leandro Coelho – A posse foi mágica e inesquecível!!! Ocorreu há 10 anos atrás. Cada imortal convidou um padrinho para a entrega das insígnias. A cerimônia ocorreu na sede da Loja Maçônica Areópago Itabunenses em um auditório lotado e teve a primeira diretoria empossada, a qual era composta por mim – Leandro Coelho, presidente, Vercil Rodrigues, vice-presidente, José Carlos Oliveira, tesoureiro, Paulo Bomfim, secretário-geral e Cosme reis, diretor de biblioteca, me recordo que estavam presentes os grandes nomes do jurídico sulbaiano e da capital, Na oportunidade, diversos integrantes discursaram, sendo que meu destaque foi a presença do saudoso membro honorário da Academia, o jurista Dr. Eurípedes Brito Cunha, ex-presidente da OAB-BA e ex-conselheiro federal da OAB, que discursou e atribuiu um ar de empolgação à cerimônia. Ele sabia da grandiosidade do ato e me recordo que no alto de sua sabedoria e experiência enalteceu a atitude daqueles que ousaram fundar a ALJUSBA e das qualidades daqueles que estavam sendo empossados.

Em sua gestão, o que senhor destaca como principais conquistas institucionais?
Leandro Coelho – Destaco a realização da posse, a aquisição das indumentárias inerentes à academia. Em seguida, a criação dos site www.academiadeletrasjuidicasdosuldabahia.com que foi um grande avanço, pois foi e é através dele que pudemos reunir os dados dos patronos como principal arcabouço histórico da nossa Academia. Em seguida, não menos importante, a criação de um portfólio em homenagem a um dos patronos, o saudoso e brilhante Francolino Neto e a criação do Boletim da Academia. Por fim, destaco, ainda a divulgação dos integrantes da ALJUSBA em seus diversos eventos de natureza jurídica na nossa região, no Estado da Bahia e até mesmo fora dele.

Com se sente por ter sido historicamente o primeiro presidente da ALJUSBA, a “Casa das Letras Jurídicas Sulbaiana”?
Leandro Coelho – Me sinto muito lisonjeado, pois entendi como um referendo para a minha trajetória jurídica, a qual estava apenas se iniciando diante de todos aqueles nomes já exaltados na comunidade jurídica sulbaiana. Por isso, procurei honrar o múnus enquanto estive na presidência.

O que mais chamou sua atenção do ponto de vista pessoal enquanto esteve na presidência da ALJUSBA?
Leandro Coelho – Desde o convite, o que mais me chamou a atenção foi o fato de ocupar a cadeira 3, a qual tem como patrono o jurista JJ. Calmon Passos. Me recordo que ainda na minha graduação assisti uma palestra do mestre em um encontro baiano de advocacia e fiquei encantado com tamanha sabedoria reunida em uma única pessoa. Sendo assim, ocupar a cadeira com o nome do mesmo fez com que me sentisse ainda mais responsável por desenvolver um bom trabalho frente aos destinos da ALJUSBA. 

Notícias mais lidas

Outros assuntos