//

O produtor terá até o dia 15 de julho para entregar a declaração nos escritórios da Adab

Leia em: 2 minutos

A Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) informou, nesta quinta-feira (27), que a Campanha de Vacinação contra Febre Aftosa em todo estado será prorrogada até o dia 30 de junho. A agência foi autorizada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a adotar a medida após solicitar a extensão do prazo, em virtude do desabastecimento do imunizante, em diversas regiões, logo na segunda semana da I Etapa de Vacinação de 2021, destinada a bovinos e bubalinos de todas as idades.

“Apesar dos efeitos da pandemia e do fechamento temporário de algumas cidades, não foi exatamente isso que motivou nossa decisão, e sim, a falta de vacinas. No entanto, o quantitativo de 1,7 milhão de doses chegará em breve para abastecer as revendas e atender a meta, que é a imunização de quase 11 milhões de animais, o que também deverá conter a especulação comercial sobre o preço final do produto, em função da insuficiência de vacina no mercado”, ressalta o diretor de Defesa Sanitária Animal da Adab, Carlos Augusto Spínola.

A vacinação contra a febre aftosa na Bahia, inicialmente prevista para ocorrer entre 1º e 31 de maio, tem superado as expectativas da coordenação da campanha, inclusive com a efetivação da declaração pelo produtor. “Estamos informando os representantes da cadeia produtiva sobre a prorrogação do prazo e todo nosso efetivo envolvido com a vacinação já está à disposição para esclarecer dúvidas e orientar os produtores para que possamos ultrapassar os 90% de imunização preconizados pelo MAPA e alcançados nas últimas etapas, o que nos confere grande possibilidade de assegurar o status de Bahia Zona Livre de Aftosa sem Vacinação, em 2023″, destaca Carlos Augusto Spínola.

Com a prorrogação da vacinação, o produtor terá até o dia 15 de julho para entregar a declaração nos escritórios da Adab, lojas de produtos agropecuários, sindicatos rurais ou por meio do site da agência.

//

A meta é que todo o território brasileiro seja considerado livre de febre aftosa sem vacinação até 2026 // Foto: Agência Brasil

Leia em: 2 minutos

O Brasil obteve hoje, 5ª feira (27.maio), o reconhecimento internacional de novas zonas livres de febre aftosa sem vacinação, em seis estados. A área abrange o Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e parte do Amazonas e do Mato Grosso. O reconhecimento foi conferido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Essas áreas se juntam a Santa Catarina que, até então, era o único estado com certificação internacional como zona livre de febre aftosa sem vacinação.

“O reconhecimento da OIE significa confirmar o elevado padrão sanitário da nossa pecuária e abre diversas possibilidades para que o Ministério da Agricultura trabalhe pelo alcance de novos mercados para a carne bovina e suína, assim como pela ampliação dos tipos de produtos a serem exportados aos mercados que já temos acesso”, afirmou a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina.

O anúncio da OIE foi comemorado em uma live com a participação da ministra Tereza Cristina, parlamentares e governadores dos estados. “Comemoramos hoje, mas seguimos trabalhando diariamente para o fortalecimento da defesa agropecuária nacional, mirando no objetivo de levar todo o Brasil para a condição de livre da febre aftosa sem vacinação”, afirmou Tereza Cristina.

A estimativa do ministério é de que, com o reconhecimento internacional dado aos estados, 60 milhões de doses anuais da vacina deixarão de ser utilizadas, gerando uma economia de cerca de R$ 90 milhões ao produtor rural.

A meta é que todo o território brasileiro seja considerado livre de febre aftosa sem vacinação até 2026. Atualmente, em torno de 70 países são reconhecidos como livres de febre aftosa.

FEBRE AFTOSA
A doença afeta bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos e traz prejuízos como limitações à comercialização de produtos pecuários. A febre aftosa ainda exige esforços constantes dos produtores rurais e das autoridades sanitárias para prevenção e erradicação.

//

A expectativa é de que, em 2023, seja retirada a vacina por conta da erradicação da doença em território baiano // Foto: Fernando Vivas/GOVBA

Leia em: 2 minutos

A Bahia já iniciou a campanha de vacinação contra a febre aftosa e os animais, de todas as idades, devem ser vacinados até dia 31 de maio. O estado possui um rebanho de 10,7 milhões de cabeças de gado e há 23 anos é considerada zona livre de febre aftosa.

Segundo o diretor-geral da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Maurício Bacelar, a vacinação é obrigatória para todos os animais e inclui também os bubalinos. “Iremos vacinar todos os bovinos e bubalinos. Mais uma vez, a Adab, a Secretaria de Agricultura e o Governo do Estado contam com a colaboração dos produtores para imunizar o rebanho. Os animais mais jovens, bezerros, devem ter um cuidado especial, já que são mais vulneráveis. É importante destacar que a campanha só se encerra após a declaração de todo o rebanho. A declaração pode ser feita presencialmente nos escritórios da Adab ou pelo site ”.

A Agência possui 384 escritórios espalhados pelos 27 Territórios de Identidade do estado. Além disso, a vacina de 2 ml poder ser comprada pelos produtores rurais em mais de mil pontos de revendas credenciados pela Adab. A avaliação para retirada da vacinação contra a febre aftosa na Bahia dependerá da realização de auditorias e sorologia dos animais. Os produtores que não realizarem a vacinação pagarão multa no valor de R$ 53, por animal.

A Bahia possui certificação de Área Livre de Febre Aftosa com Vacinação, tendo implementado a vacina de forma oficial em 1968. O coordenador do Programa Febre Aftosa da Adab, José Neder, destacou que a parceria com os produtores é fundamental para manter o estado como zona livre da doença. “É muito importante que, ocorrendo qualquer suspeita da doença, o produtor comunique imediatamente a Agência para que possamos fazer o atendimento. É necessário que o produtor fique ainda mais atento ao seu rebanho e, se observar algum animal babando, mancando, salivando, deitado com o pelo arrepiado no rebanho, deve comunicar de imediato à Adab. Esse atendimento será gratuito e é imprescindível para que o estado possa avançar na retirada da vacina em 2023”, explicou.

Informações detalhadas sobre a vacinação contra a febre aftosa estão disponíveis no site da Adab.  

//

Os proprietários de animais de produção que sejam mantidos nos lixões da Bahia serão notificados

Leia em: < 1 minuto

Para reforçar as estratégias de erradicação e controle da Febre Aftosa e Peste Suína Africana, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia publicou Portaria 01/2021 proibindo a permanência de animais de produção em depósitos de resíduos sólidos urbanos (DRSU), utilizando restos de alimentos provenientes dos lixões, seja em áreas particulares ou públicas, ou em qualquer outro local que ofereça risco de contaminação, disseminação de doenças que impliquem em risco à saúde da população ou comprometam o bem estar animal.

A proibição é embasada em legislações anteriores que preveem a destinação final de resíduos sólidos em locais adequados e que amenizem os impactos ambientais e riscos à saúde pública, convergindo com o trabalho de prevenção realizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Os proprietários de animais de produção que sejam mantidos nos lixões da Bahia serão notificados e, se houver reincidência, os animais serão apreendidos e encaminhados ao sacrifício sanitário.

Notícias mais lidas

Outros assuntos