Andrea Castro, Soane Galvão e Ludmilla Fiscina buscam "espaço político"

Leia em: 2 minutos

De acordo com informações obtidas pela Coluna Alô Alô Política, a pré-candidatura de três primeiras-damas do estado da Bahia tem causado discórdia nos bastidores do PSD.

As esposas de Augusto Castro (prefeito de Itabuna), Mário Alexandre (prefeito de Ilhéus) e Joaquim Neto (prefeito de Alagoinhas) almejam uma vaga na Alba (Assembleia Legislativa da Bahia), mas isso vai custar algumas inimizades dentro do partido.

Isso porque Andrea Castro, Soane Galvão e Ludmilla Fiscina buscam “espaço político” e não à sombra dos maridos-prefeitos. Portanto, o que se comenta é que a sigla deveria dar prioridade à reeleição daqueles que já estão no Legislativo e não “apostar no novo”. Além disso, especula-se que os prefeitos estariam usando o prestígio que têm para conseguir que lideranças apoiem as candidaturas das esposas.

O que eles têm incomum? Castro foi deputado estadual até 2018 quando perdeu a reeleição, mas conhece muito bem como funciona a máquina pública. Marão, por sua vez, está contando com a transferência dos votos da mãe e ex-deputada estadual Ângela Sousa, que foi derrotada na eleição passada. Já Joaquim apoiou o então secretário municipal Geraldo Melo na eleição passada, mas também perdeu.

Como diz o ditado: Quem tiver a unha maior que sobe mais alto.

LEIA TAMBÉM ⬇️

Augusto Castro e Jaques Wagner, Pancadinha e ACM Neto, Valderico Júnior, Fábio Vilas-Boas

Leia em: 2 minutos

Os conselheiros da 1ª Câmara do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) rejeitaram as contas da Câmara de Alagoinhas, da responsabilidade do ex-vereador Roberto José Torres de Lima (foto), relativas ao exercício de 2019. Essas contas foram consideradas irregulares diante da ausência de comprovação do pagamento de multas imputadas ao gestor em processos anteriores. O conselheiro substituto Cláudio Ventin, relator do parecer, imputou multa de R$1,5 mil ao vereador.

Também foi determinado o ressarcimento aos cofres municipais na quantia de R$15.600,00, com recursos pessoais, em razão da não comprovação da prestação de serviços técnicos especializados de publicidade.

A Câmara de Alagoinhas recebeu em 2019, a título de duodécimos, a quantia de R$13.440.751,18, sendo realizadas despesas orçamentárias no valor total de R$13.440.408,41, respeitando, assim, o limite previsto no artigo 29-A da Constituição Federal. A despesa com pessoal alcançou o montante de R$11.082.953,21, que correspondeu a 2,98% da Receita Corrente Líquida Municipal de R$371.298.994,55, não ultrapassando o limite de 6% definido na Lei de Responsabilidade Fiscal.

Já o relatório de acompanhamento técnico – realizado pela 8ª Inspetoria Regional do TCM – apontou irregularidades na contratação de empresa especializada na prestação de serviços técnicos visando a realização de inventário patrimonial da Câmara; ausência de remessa, pelo sistema SIGA, de dados e informações da gestão pública municipal; e não comprovação da efetiva prestação de serviços técnicos especializados de publicidade pela empresa “Dinâmica Comunicação e Marketing” (no valor de R$4.600,00) e bem como ausência de prova de execução dos serviços em elaboração de inventário patrimonial pela empresa “GRN Consultoria em Gestão Eireli” (no valor de R$11.000,00).

A 1ª Câmara do TCM é composta, atualmente, pelo conselheiro José Alfredo Rocha Dias e pelos conselheiros substitutos Cláudio Ventin e Ronaldo Nascimento de Sant’Anna. Cabe recurso da decisão.  

Notícias mais lidas

Outros assuntos