Além da Bahia, foram cumpridos mandados de busca e apreensão no Espírito Santo, Rio de Janeiro e Alagoas

Leia em: < 1 minuto

Nesta 3ª feira (8.novembro), três mandados de busca e apreensão contra a exploração ilegal do Pau-Brasil e outras espécies em extinção foram cumpridos em Camacã por equipes da Polícia Federal e do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). A operação foi intitulada de Ibirapitanga II e, de acordo com a polícia, o material era comercializado no exterior e usado para fabricar instrumentos musicais.

Além da Bahia, outros 34 mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Alagoas. Os crimes envolvem extratores, transportadores, intermediários, atravessadores, arqueiros e empresas de produção e exportação de acessórios de instrumentos musicais de corda.

Ainda de acordo com a Polícia Federal, no Brasil, as varetas de Pau-Brasil são adquiridas por entre R$ 20 e R$ 40. No exterior, elas podem ser comercializados por até U$ 2.600, cerca de R$ 14.600 na cotação atual. As investigações começaram após fiscalizações do IBAMA, onde mais de 42 mil varetas de Pau-Brasil e 150 toretes foram apreendidos.

Os suspeitos podem responder pela prática de associação criminosa, contrabando, crimes contra a flora e outros crimes contra a administração ambiental, com penas combinadas que podem ultrapassar 15 anos de prisão.

//

Entorpecentes estavam presos ao corpo da mulher com fita adesiva

Leia em: < 1 minuto

A Polícia Federal deu voz de prisão em flagrante a uma mulher de 21 anos de idade que foi flagrada no aeroporto de João Pessoa, na Paraíba, com 3 quilos de cocaína. De acordo com a polícia, o entorpecente estava amarrado com fita adesiva ao corpo da mulher.

Ao ser abordada pelos policiais, a mulher confessou o transporte da droga e foi encaminhada para a Superintendência da Polícia Federal na Paraíba, onde foi autuada pelo crime de tráfico de drogas.

Passageiros iriam embarcar para África, Europa, Índia e Rio de Janeiro portando drogas

Leia em: < 1 minuto

Entre os dias 9 e 11 de setembro, a Polícia Federal apreendeu quase 40 quilos de drogas no aeroporto internacional de São Paulo. O material estava com passageiros que embarcariam para a África, Europa, Índia e Rio de Janeiro.

Na primeira ocorrência, os policiais conseguiram encontrar nove quilos de cocaína que estavam escondidos dentro de produtos e utensílios. Segundo a PF, os entorpecentes estavam com uma mulher da Namíbia que pretendia seguir para a Angola e só foi possível encontrar o material com o auxílio de cães farejadores.

Em outra ocorrência, os policiais localizaram um fundo falso na bagagem de um passageiro do Suriname que iria para a Índia e tentava levar dois quilos de cocaína. Outros dois homens de Bangladesh apresentaram uma Carta de Transbordo Marítimo falsa às autoridades migratórias e também foram detidos.

Um brasileiro que pretendia embarcar para Paris e outro que queria seguir para Portugal foram flagrados com doze quilos de cocaína escondidos em fundos falsos de bagagens.

Em outra ação, uma mulher da Ucrânia que viajava com destino a Paris foi presa com quinze quilos de maconha. Além disso, uma brasileira que pretendia ir para o Rio de Janeiro foi flagrada pelo controle migratório tentando embarcar com uma porção de maconha.

Em todos os casos, os detidos vão responder pelo crime de tráfico internacional de drogas.

Quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Lauro de Freitas e Nova Soure

Leia em: < 1 minuto

Na manhã de hoje (16.agosto), a Polícia Federal deflagrou a Operação Ajuste com o objetivo de desarticular um esquema de fraude em dispensas de licitação promovidas pelo município de Nova Soure. Segundo a PF, o esquema acontecia durante a aquisição de testes de detecção do coronavírus e direcionadas em favor de uma única empresa.

Até o momento, a PF já identificou que a prefeitura utilizou procedimentos ilegais, a partir de cotações apresentadas por empresas vinculadas entre si e em suposto conluio, para viabilizar a aquisição de 2.550 testes rápidos por um valor de R$ 203.355,00 em 2020.

Foram cumpridos 4 mandados de busca e apreensão em Lauro de Freitas e Nova Soure. Os investigados podem responder pelo crime de dispensa ilegal de licitação.

Operação teve apoio do MPF, Ministério da Cidadania, CEF, Receita Federal, CGU e TCU

Leia em: < 1 minuto

Na manhã de hoje (3.agosto), a Polícia Federal deflagrou a Operação Parcela Feira de Santana, com o objetivo de combater fraudes no Auxílio Emergencial. A operação contou com o apoio do Ministério Público Federal, Ministério da Cidadania, Caixa Econômica Federal, Receita Federal, Controladoria-Geral da União e Tribunal de Contas da União.

O objetivo das investigações é identificar fraudes massivas no recebimento do benefício e desarticular associações criminosas que atuam causando prejuízos ao programa assistencial. Policiais federais de Feira de Santana cumpriram as medidas judiciais de busca e apreensão e houve, também, bloqueio de cerca de R$ 50 mil por meio de determinação judicial.

Segundo a PF, as investigações começaram no ano passado com base na análise de processos de contestação abertos na Caixa. Apenas no aplicativo Caixa Tem, 16 contas do Auxílio foram fraudadas com os valores depositados sendo transferidos, imediatamente, para pagamentos de boletos bancários emitidos em nomes de terceiros, o que resultou em um prejuízo de R$ 9,6 mil.

Os autores das fraudes vão responder pelos crimes de furto qualificado mediante fraude, que tem pena de dois a oito anos de reclusão.

PF considera que situação de Lula é considerada de risco máximo

Leia em: < 1 minuto

Desde a última sexta-feira (22.julho), agentes da Polícia Federal reforçaram a segurança do ex-presidente Lula (PT) durante os atos de pré-campanha eleitoral. Após a homologação da pré-candidatura à Presidência, foi firmado um acordo para que o petista seja acompanhado de perto pela PF a fim de garantir que ele esteja seguro.

Além da Polícia Federal, agentes do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) estão acompanhando Lula já que, como qualquer ex-presidente, ele tem direito à proteção do órgão. A situação do pré-candidato foi considerada pela PF como nível de risco máximo por ele ser conhecido por muitas pessoas e já ter recebido ameaças.

📷 Foto de reprodução Facebook

Investigado é suspeito de produzir e compartilhar vídeos de abuso sexual infantil

Leia em: < 1 minuto

Em Feira de Santana, agentes da Polícia Federal cumpriram um mandado de busca e apreensão contra um suspeito de armazenar e divulgar arquivos de imagem e vídeo contendo cenas de sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes. Na investigação, a polícia constatou que o suspeito também produziu e compartilhou um vídeo contendo imagens de abuso sexual infantil.

No local, a polícia apreendeu um notebook e um aparelho telefônico que vão ser submetidos à perícia para constatar a ocorrência do crime. O investigado vai responder pelos crimes previstos nos artigos 241-A e 241-B, que diz que é crime divulgar imagens contendo cenas de sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes.

Investigado teria mais de 130 arquivos com cenas de sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes

Leia em: < 1 minuto

Na última 3ª feira (10.maio), a Polícia Federal cumpriu um mandado de busca e apreensão na cidade de Conceição do Coité referente a uma investigação sobre o armazenamento e disponibilização de conteúdo de pornografia infanto-juvenil na internet. De acordo com a polícia, o usuário de um perfil teria armazenado, disponibilizado, transmitido, publicado e divulgado 133 arquivos de imagem e vídeo de sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes.

No local onde a PF esteve para cumprir o mandado, foi apreendido o aparelho celular do investigado, que vai ser submetido à perícia a fim de constatar o crime. Caso confirmado, ele vai responder pelos delitos previstos no artigo 241-A, caput, e 241-B, caput, contido no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Durante os dias de operação, polícia acabou com 173 mil pés de maconha

Leia em: < 1 minuto

Entre os dias 5 e 14 deste mês, policiais federais da Bahia e de Pernambuco deflagraram a Operação Phaseoli II com o objetivo de identificar e erradicar plantios de maconha no sertão dos dois estados. Além da PF, militares da Bahia e do Distrito Federal, além de integrantes do Corpo de Bombeiros participaram da operação.

Durante os dias, as forças de segurança intensificaram as fiscalizações terrestres e aéreas e, nesta fase, foi possível acabar com cerca de 173 mil pés de maconha. De acordo com a polícia, os plantios foram localizados em Santo Sé/BA, Abaré/BA, Jaguarari/BA, Dormentes/PE e Juazeiro/BA.

Com a destruição das plantações, a polícia evitou a produção de 57 toneladas da droga, gerando um prejuízo de, aproximadamente, R$ 60 milhões de reais para o crime organizado.

Bruno Dauster era secretário da Casa Civil do governo Rui Costa e pediu demissão do cargo após polêmica da compra de respiradores

Leia em: 2 minutos

Hoje (26.abril), a Polícia Federal deflagrou a Operação Cianose e cumpriu 14 mandados de busca e apreensão nos estados da Bahia, Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro. A operação investiga a compra de 300 respiradores pelo Consórcio Nordeste no início da pandemia da Covid-19.

De acordo com as investigações da PF, a compra dos aparelhos foi feita de forma irregular, como o pagamento antecipado do valor integral sem que houvesse garantia contratual contra possível inadimplência da empresa Hempcare. Lembrando que o contrato foi firmado no início de 2020 e, desde então, nenhum respirador foi entregue.

Ainda segundo a Polícia Federal, os investigados podem responder pelos crimes de estelionato em detrimento de entidade pública, dispensa de licitação sem observância das formalidades legais e lavagem de dinheiro. De acordo com o site O Bastidor, o ex-secretário da Casa Civil da Bahia, Bruno Dauster, e o empresário e consultor contratado para intermediar a compra, Cléber Isaac, estão entre os alvos da investigação.

Por meio de nota, o ex-secretário do governador Rui Costa (PT) classificou a operação como “absolutamente extemporânea e desnecessária”. Além disso, Dauster afirmou que sempre colaborou com a polícia e “ao longo de toda minha vida profissional, sempre agi de forma lícita com absoluta transparência e rigor ético”.

Sobre a operação, Rui Costa declarou que está ansioso pelo resultado e punição dos envolvidos: “Não tem nenhum ser humano mais ansioso para que essa apuração seja finalizada. Já se vão quase dois anos disso e eu continuo indignado pelo fato de saber que essas pessoas estavam presas. Essas pessoas tinham assinado o documento que iriam devolver o dinheiro e o Ministério Público da Bahia pediu para soltar essas pessoas e o juiz concordou. Quase dois anos e a gente acompanha investigação após investigação, o que a gente quer é a conclusão disso e quem está culpado vá para o xilindró, responda pelo mal feito e que o povo possa ter o dinheiro de volta”.

Notícias mais lidas

Outros assuntos