Prates já era considerado o favorito para assumir o cargo desde a vitória de Lula nas eleições

Leia em: < 1 minuto

O Conselho de Administração da Petrobras elegeu hoje (26.janeiro), por unanimidade, Jean Paul Prates (PT) como presidente da estatal. Prates já era considerado favorito ao cargo desde quando o presidente Lula (PT) ganhou as eleições em outubro do ano passado.

No ano passado, ele fez parte da equipe de transição e cuidou dos assuntos relacionados à área de Minas e Energia. O ex-senador tem 30 anos de experiência no mercado de petróleo e energia, além de atuar nas áreas de energias sustentáveis e transição energética.

📷 Reprodução/Senado

Outros combustíveis não vão ter preços reajustados

Leia em: < 1 minuto

A Petrobras anunciou hoje (24.janeiro) que o preço da gasolina para as distribuidoras vai aumentar a partir de amanhã (25.janeiro). De acordo com a empresa, os demais combustíveis não vão ter os preços alterados.

De acordo com a petrolífera, a majoração será de R$ 3,08 para R$ 3,31 por litro. O acréscimo nominal é de R$ 0,23 por litro, o que representa uma alta de 7,46%.

Vale ressaltar que o valor final dos preços dos combustíveis nas bombas depende não só dos valores cobrados nas refinarias, mas também de impostos e das margens de lucro de distribuidores e revendedores. Os estabelecimentos, por sua vez, têm liberdade para praticar os preços, então, nem sempre, o aumento ou diminuição é sentido pelos consumidores.

//

Novos valores passam a valer a partir de amanhã, mas revendedor é quem determina se redução vai chegar ao consumidor final

Leia em: < 1 minuto

A Petrobras anunciou nesta 5ª feira (22.setembro) que vai reduzir em 6% o preço médio de venda do gás de cozinha para as distribuidoras. A redução significa que o valor vai sair de R$ 4,0265 para R$ 3,7842 por litro, ou seja, um botijão de 13 quilos que custava R$ 52,39 vai passar a valer R$ 49,19.

Os novos valores já começam a valer a partir de amanhã (23.setembro), mas vale ressaltar que quem determina se os preços menores vão chegar ao consumidor é cada revendedor.

//

Reajuste começa a valer a partir de amanhã e não vale para outros combustíveis

Leia em: < 1 minuto

Nesta segunda-feira (19.setembro), a Petrobras anunciou uma nova redução no preço do litro do diesel que é vendido nas distribuidoras. O reajuste começa a valer amanhã (20.setembro) e o preço médio sairá de R$ 5,16 e vai para R$ 4,89 por litro.

Mesmo com o anúncio dessa redução, neste ano, o diesel já acumula uma alta de 46% e, em relação ao final do ano de 2020, a alta já é de 146%. Outros combustíveis, a exemplo da gasolina, não sofreram nenhuma alteração nos preços.

//

Essa é a terceira redução no preço do litro do combustível em apenas 1 mês

Leia em: < 1 minuto

A Petrobras anunciou hoje (15.agosto) que o preço do litro da gasolina vai diminuir mais uma vez a partir de amanhã (16.agosto) nas refinarias. O litro que estava sendo vendido por R$ 3,71, agora vai custar R$ 3,53, ou seja, R$ 0,18 mais barato.

Essa é a terceira redução no preço do combustível em apenas um mês, mas, para que o consumidor final sinta esse reajuste, é preciso que os empresários repassem. Sabe-se que o valor apresentado nas bombas depende de uma série de outros fatores, como impostos e lucros das distribuidoras.

//

Bolsonaro criticou aumento anunciado pela empresa e disse que ela pode ser responsável por mergulhar o país no caos

Leia em: 2 minutos

A Petrobras anunciou hoje (17.junho) mais um reajuste nos preços da gasolina e do diesel que é vendido às distribuidoras de todo o país. A partir de amanhã (18.junho), a gasolina passa a custar R$ 4,06 o litro e o diesel R$ 5,61 o litro nas refinarias e, em cima desse valor, ainda incidem impostos e lucros dos revendedores, ou seja, o consumidor vai sentir o aumento no bolso.

Antes de anunciar a decisão, uma reunião foi realizada entre a estatal e alguns conselheiros ligados ao governo federal e houve uma tentativa de frear esse reajuste, mas tudo foi em vão. Na nota divulgada anunciando o aumento, a Petrobras justifica que o mercado global de energia está em uma situação desafiadora por causa da recuperação da economia mundial e da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Nesta semana, o Congresso aprovou o projeto que limita alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre combustíveis, energia, gás natural, comunicações e transportes coletivos. A medida foi uma tentativa do governo para reduzir os preços dos combustíveis e, agora, depende da sanção do presidente Jair Bolsonaro (PL) para começar a valer.

Insatisfeito com a política adotada pela Petrobras, Bolsonaro tem criticado a empresa desde o início do ano e chegou a trocar o presidente da estatal várias vezes e tem criticado o atual, que assumiu o cargo em maio. Nas redes sociais, ele declarou que a empresa pode ser responsável por mergulhar o país em um caos e se declarou contra o novo reajuste: “A Petrobras pode mergulhar o Brasil num caos. Seus presidente, diretores e conselheiros bem sabem do que aconteceu com a greve dos caminhoneiros em 2018, e as consequências nefastas para a economia do Brasil e a vida do nosso povo. O Governo Federal como acionista é contra qualquer reajuste nos combustíveis, não só pelo exagerado lucro da Petrobrás em plena crise mundial, bem como pelo interesse público previsto na Lei das Estatais”.

//

Caio Mário de Andrade é o quarto presidente da estatal no governo Bolsonaro

Leia em: < 1 minuto

Ontem (23.maio), o presidente Jair Bolsonaro (PL) demitiu o presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, depois dele passar apenas 40 dias à frente da estatal. Para o cargo, foi escolhido o membro da equipe do Ministério da Economia, Caio Mário de Andrade.

Nos bastidores, comenta-se que a demissão de Coelho aconteceu por causa da política de preços adotada pela Petrobras. Bolsonaro não estaria satisfeito com as decisões tomadas pelos que passaram pela estatal e, por isso, resolveu nomear o quarto presidente.

Agora, o Conselho de Administração da Petrobras precisa aprovar o nome de Caio para que ele assuma a função. Atualmente, ele ocupa a chefia da Secretaria de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia.

//

Valores dos outros combustíveis permanecem inalterados e apenas o diesel vai ficar mais caro

Leia em: < 1 minuto

Hoje (9.maio), a Petrobras anunciou que o diesel vai ser reajustado em 8,87% a partir de amanhã (10.maio), ou seja, o preço do litro vai passar de R$ 4,51 para R$ 4,91. De acordo com a estatal, esse é o primeiro reajuste do combustível nos últimos 60 dias.

Com o reajuste anunciado, a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel vai passar a custar para a distribuidora R$ 4,42 por litro, em vez dos atuais R$ 4,06. Essa é a parcela da Petrobras no preço cobrado do consumidor, que ainda inclui custos e margens de lucro das distribuidoras e dos postos de combustível, além do ICMS.

Ainda segundo a Petrobras, o aumento é justificado pelo balanço global do diesel e, nesse momento, há uma redução da oferta em relação à demanda. Embora as refinarias estejam operando quase no nível máximo, o refino nacional não tem capacidade para atender a demanda do país inteiro.

//

Petrobras alega que preço do barril de petróleo aumentou e, por isso, é preciso reajustar valores dos derivados

Leia em: < 1 minuto

A Petrobras anunciou hoje (10.março) um novo reajuste nos preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha. O aumento vale para as distribuidoras e já entra em vigor a partir de amanhã (11.março), mas o repasse para o consumidor final ainda não está definido se e quando vai ocorrer porque depende de cada revendedor.

Nas distribuidoras, o preço médio da gasolina passa de R$ 3,25 para R$ 3,86 o litro, um aumento de 18,77%. Para o diesel, o valor vai de R$ 3,61 a R$ 4,51, alta de 24,9%. Enquanto isso, o gás de cozinha vai passar de R$ 3,86 para R$ 4,48 por quilo, um reajuste de 16%.

Em nota, a Petrobras diz que os valores refletem parte da elevação dos patamares internacionais de preços de petróleo: “Após serem observados preços em patamares consistentemente elevados, tornou-se necessário que a Petrobras promova ajustes nos seus preços de venda às distribuidoras para que o mercado brasileiro continue sendo suprido, sem riscos de desabastecimento’’.

📷 Foto de Divulgação/Petrobras

//

Reajustes começam a valer a partir de quarta-feira (12 de janeiro)

Leia em: < 1 minuto

A Petrobras anunciou que, a partir de amanhã (12.janeiro), serão reajustados os preços da gasolina e do diesel nas distribuidoras. O valor médio da gasolina passará de R$ 3,09 para R$ 3,24 por litro, um reajuste de 4,85%. Já para o diesel, de R$ 3,34 para R$ 3,61 por litro, alta de 8,08

Com esse reajuste, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor em relação à gasolina passará de R$ 2,26, em média, para R$ 2,37 a cada litro vendido na bomba. No caso do diesel, a parcela da estatal no preço ao consumidor passará de R$ 3,01, em média, para R$ 3,25 a cada litro vendido na bomba.

Em nota, a estatal afirmou que os reajustes representam um “compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, acompanhando as variações para cima e para baixo, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato para os preços internos, das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais”. 

Quer saber de outras notícias? Siga-nos no Instagram @pauta.blog.br.

Notícias mais lidas

Outros assuntos