Dois meses após tragédia no sul da Bahia, várias famílias ainda vivem em áreas condenadas e sem apoio do poder público // 📷 Fotos de Jaque Cerqueira

Leia em: 3 minutos

É com profunda tristeza que o senhor Genilton Inácio de Souza, lembra o dia em que um barranco desmoronou e invadiu a casa onde ele mora com a esposa, a filha e uma neta. O barro invadiu a cozinha, banheiro e um quarto. Sua mulher, Solange, que no momento da chuva estava nos fundos do terreno, fazendo uma valeta para que a água escoasse, ficou soterrada pelo barro, foi milagrosamente resgatada por vizinhos e precisou ser hospitalizada com vários ferimentos graves , hoje já está recuperada, mas permanecem as sequelas emocionais.

A história do senhor Genilton que mora no Basílio em Ilhéus, é apenas uma dentre várias de sofrimento e abandono. As chuvas de dezembro, só colocaram em evidência o antigo problema das encostas, na cidade que é um dos principais destinos turísticos da Bahia e do Brasil, consagrada pelas obras do escritor Jorge Amado. A Defesa Civil chegou mapear 48 áreas de risco onde vivem, cerca de 5 mil famílias. Em dezembro, a Prefeitura Municipal de Ilhéus, decretou estado de calamidade pública por causa dos temporais.

Genilton Inácio olha o barranco nos fundos da casa ontem sua esposa foi soterrada em dezembro do ano passado.

Na Avenida Palmares localizada no Alto do Basílio, aproximadamente sessenta famílias foram atingidas direta ou indiretamente pelo deslizamento das encostas. Bairros como Teotônio Vilela, Banco da Vitória, Alto da Soledade, Alto da Tapera e outros tantos ainda sofrem com as consequências da chuva e também com o descaso do poder público.

Nesta localidade ainda entrevistamos a dona Maria Lúcia que teve a casa invadida pelo barranco e perdeu quase todos os móveis, com a voz embargada e olhos marejados, lamenta a situação que vive. Ela saiu da casa onde morava com a família e hoje precisa pagar aluguel para viver em um local seguro, para isso ela diz não receber nenhuma tipo de auxílio do poder municipal. “Além de pagar aluguel, água e luz da casa onde estou morando, tenho que pagar água e luz da minha casa que está fechada para não cortarem o funcionamento e acumular as dívidas”, conta Maria Lúcia.

Dona Lúcia na frente da casa que está fechada. Ao lado a imagem da cozinha completamente destruída pelo barranco

Com o esposo desempregado, ela precisa se desdobrar para arcar com as despesas e ainda enfrenta a dificuldade de ter perdido vários móveis e eletrodomésticos. Funcionários da Defesa Civil fizeram cadastros e preencheram formulários, mas até o momento nenhuma política pública foi efetivada no local, nem assistencial como auxílio-aluguel, nem qualquer avaliação técnica do terreno para obras de macro-contenção da perigossíma encosta que está no fundo das 60 residências.

ALTO DO BASÍLIO EM ILHÉUS, MORADORES VIVEM COM MEDO CONSTANTE

Em fevereiro, o prefeito da cidade Mário Alexandre anunciou o pagamento de aluguel social para famílias que vivem em áreas condenadas, entretanto, o moradores do Basílio questionam essa informação e relatam não ter recebido esse auxílio. “Não tivemos apoio em nada, não recebemos cesta básica, nem e agora fomos informados que se tirarmos o barro de dentro de casa e colocarmos na rua seremos multados pela prefeitura”, lamenta Genilton Souza, que se sente desolado, se deixar o barro dentro da casa não poderá ali morar pois a situação é insalubre e caótica e se retirar o barro é multado, a pobreza é duplamente penalizada.

Alto do Basílio em Ilhéus, moradores vivem com medo constante

60 dias depois da enchente, vemos nas ruas de Ilhéus, amontoados de lama, como na Avenida Princesa Isabel, importante ligação do centro com a rodoviária, moradores tiraram o barro de dentro de suas residências, com suas próprias mãos, e passados 2 meses nenhuma limpeza foi efetuada, causando transtorno no trânsito.

📷 Fotos de Jaque Cerqueira

//

Chuvas podem atingir volume de até 94mm até o próximo sábado

Leia em: < 1 minuto

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta laranja para fortes chuvas na cidade de Ilhéus nesta 5ª feira (3.março). Além disso, a Defesa Civil da cidade está monitorando as áreas consideradas de risco e pede que a população fique atenta aos sinais de deslizamentos de terras. Em caso de emergência, é possível acionar o órgão pelos telefones 73 98836-2753 e 73 99907-2418.

De acordo com as informações do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), a previsão é que, até o próximo sábado (5.março), chova cerca de 94mm na cidade.

📷 Foto de Reproducação/Redes Sociais
Leia em: 2 minutos

A Turquia vai doar fogões e geladeiras para famílias das cidades baianas de Ubaíra, Barra do Rocha e Itacaré, atingidas pelas fortes chuvas que caíram no estado entre o final de 2021 e início de 2022. O apoio financeiro foi acordado em reunião, ocorrida em Brasília, entre o embaixador do país do Oriente Médio, Murat Yavuz Ateş, e o coordenador da Frente Parlamentar Brasil-Turquia, o deputado baiano Félix Mendonça Júnior (PDT).

No total, serão doados 150 fogões e 60 geladeiras a famílias selecionadas com a ajuda do cadastro social das prefeituras e visitas às residências. Aquelas que tiveram perdas materiais por conta das chuvas e continuam sem esses eletrodomésticos é que poderão ser contempladas. “Ficamos felizes pelo fato da Turquia, um país irmão do Brasil, ter aceitado o nosso pedido e confirmado a doação, que será muito importante para baianos que sofreram prejuízos por conta da calamidade”, disse Félix.

O deputado destacou que a iniciativa vai se somar a outras adotadas por governos, organizações sociais, indivíduos e setor privado. “Vamos continuar trabalhando para viabilizar outras doações e também na destinação de recursos federais para a Bahia”, assegurou.

//

Leia em: 2 minutos

O governador Rui Costa se reuniu hoje (31) em Salvador, com diretores da competição de motos aquáticas ‘Rally dos Mares’, para agradecer o apoio dado por participantes do evento no resgate de centenas de pessoas desabrigadas pelas enchentes, durante as fortes chuvas que atingiram o sul da Bahia, em dezembro de 2021.

De acordo com John Nascimento, um dos diretores do Rally dos Mares, cerca de 40 voluntários participaram das ações de salvamento em cidades como Itabuna e Dário Meira. “Foi um trabalho coletivo. Nós conseguimos mobilizar as motos aquáticas para atingir o máximo possível de pessoas, chegando mais rapidamente nos lugares de difícil acesso. Navegamos a noite inteira pelas ruas das cidades. Dessa forma, conseguimos dar aquele socorro imediato auxiliando o trabalho prestado pelo Corpo de Bombeiros”.

COMPETIÇÃO
A primeira edição do Rally dos Mares foi realizada em 2015. Ao longo dos anos, a competição ganhou amplitude nacional com prospecção internacional e se tornou a maior em navegação de mar aberto do mundo. Mais de 100 pilotos participam do evento, que percorre 400 quilômetros pelo litoral baiano, com largada na Baía de Todos-os-Santos, em Salvador, passando por Morro de São Paulo, Barra Grande, Península de Maraú e Itacaré.

Leia em: < 1 minuto

A prefeita Monalisa Tavares acompanha de perto a entrega desses donativos, colocando a mão literalmente na massa e ouvindo de perto cada reivindicação do povo. Durante essa semana a equipe do Social fez a entrega de cestas básicas nas ruas Sete de Setembro, Paraguaçu e Paraíso, enquanto a equipe do Gabinete distribuiu leite e água mineral na rua General Osório, bairros Corina Batista e Luxo e os distritos do Cajueiro Novo e Salomeia.

“Faço questão de estar presente, ajudar na distribuição e ouvir a população que foi atingida pelas chuvas e vivem em situação de vulnerabilidade. Temos trabalhado muito para atender o nosso povo. Estamos aqui (em campo), mas existe também uma equipe técnica trabalhando e já conseguimos convênio junto ao Governo do Estado para a construção de 102 casas e essa semana conseguimos adquirir o terreno. Com fé em Deus em breve começaremos a construção dessas moradias para aqueles que perderam suas casas na enchente”, disse a prefeita Monalisa Tavares.

//

Geógrafo explica que são "chuvas de verão"' e volume acumulado de chuvas pode chegar aos 40mm nas bacias dos Rios Almada, Cachoeira e Una

Leia em: < 1 minuto

De acordo com informações colhidas e divulgadas pelo geógrafo Kaique Brito, há previsão de chuvas para a região Sul do estado até às 15h de hoje (25.janeiro). O volume acumulado de chuva pode atingir os 40mm nas bacias hidrográficas dos Rios Almada, Cachoeira e Una.

Ainda segundo o geógrafo, não há motivo para maiores preocupações porque tratam-se das chamadas “chuvas de verão”, ou seja, pancadas fortes e rápidas, que são típicas da estação mais quente do ano. Por isso, temos a sensação de muito “abafamento” antes da água cair já que essas chuvas são a combinação de muito calor e umidade.

Em Itabuna, por exemplo, desde o início do dia, muitas trovoadas foram ouvidas pela população, mas não deve passar disso. Outras cidades da região também deve registrar o mesmo fenômeno.

📷 Foto de Pauta Blog

//

Vários estabelecimentos e até a feira livre ficaram alagados com chuvas dessa segunda-feira

Leia em: < 1 minuto

O município de Itororó foi um dos mais castigados pelas fortes chuvas que atingiram a Bahia no mês de dezembro do ano passado e, na noite de ontem, 2ª feira (24.janeiro), a população voltou a ficar assustada com o temporal que caiu sobre a cidade.

De acordo com o relato de alguns moradores, a chuva durou, aproximadamente, 40 minutos, mas foi o suficiente para deixar um rastro caótico. Apesar do nível do rio continuar baixo, grande partes dos bueiros estavam entupidos e, por esse motivo, a água não escoou, provocando alagamentos em vários pontos.

Ainda de acordo com a população, a preocupação é que volte a chover e não haja tempo hábil para que a água empoçada evapore. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram estabelecimentos e até mesmo a feira livre de Itororó completamente invadidos pelas águas.

📷 Reprodução/Rede social

DÊ PLAY E ASSISTA ⤵️

//

Parte da fachada de supermercado desabou com os fortes ventos

Leia em: < 1 minuto

A tarde desta 3ª feira (25.janeiro) está sendo marcada por fortes chuvas em Vitória da Conquista, no sudoeste baiano. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram ruas e avenidas completamente alagadas e, até mesmo, o desabamento de parte da fachada de um supermercado.

Segundo relatos de alguns moradores do município, a chuva foi rápida, mas suficiente para deixar alguns estragos. Mesmo com o anúncio de que poderia chover durante esses dias, a população ficou surpresa com o temporal e o caos se instaurou em algumas áreas com registro de engarrafamentos.

A previsão do tempo aponta que pode continuar chovendo ao longo da semana na Joia do Sertão Baiano

📍Vídeo gravado na Rua Ascendino Melo, no Centro de Vitória da Conquista.

📷 Reprodução/Rede social

DÊ PLAY E ASSISTA ⤵️

//

Leia em: < 1 minuto

Empreendedores baianos impactados pelas chuvas têm até a próxima 6ª feira (28.janeiro) para solicitar o crédito emergencial do Governo do Estado, por meio da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte e da Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia). Os interessados devem procurar as prefeituras dos municípios que sofreram com as enchentes no final do ano passado.

As concessões de financiamento emergencial permitem parcelamento em até 48 meses, incluindo carência de até 12 meses para pagamento da primeira parcela, sem juros para valores até R$ 150 mil. Após as verificações e avaliação simplificada de crédito, os contratos são elaborados e enviados para assinatura dos comerciantes e prestadores de serviço, que poderão utilizar os recursos para reconstruir suas atividades.

Quer saber de outras notícias? Siga-nos no Instagram @pauta.blog.br.
Leia em: 2 minutos

O presidente da Amurc e prefeito de Itajuípe, Marcone Amaral enviou ofício hoje (20.janeiro), à Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina Correa, solicitando apoio para a recuperação da zona rural, que teve suas áreas atingidas pelas fortes chuvas na região.

No documento, o gestor destaca a presença importante de vários ministros do Governo Federal à região, que resultou em ações diversas de apoio aos munícipes e as cidades atingidas pelas chuvas. No campo, as áreas produtivas, lavouras, pecuária, estradas vicinais (corredores da produção) e pontes foram completamente devastadas.

Nesse sentido, foi solicitado apoio do Ministério aos agricultores atingidos, no intuito de fomentar e recuperar a economia rural, levando em conta a atuação conjunta dos consórcios públicos da região na recuperação e conservação de estradas e pontes.

“Vimos solicitar deste Ministério, em articulação deste e/ou consorciado com outro Ministério, apoio emergencial e estrutural ao homem/mulher do campo, buscando fomentar a produção e restaurar as estruturas diversas danificadas”, destacou Marcone. 

Quer saber de outras notícias? Siga-nos no Instagram @pauta.blog.br.

Notícias mais lidas

Outros assuntos