Bekos
Leia em: 3 minutos

Os amantes do futebol, independente de qual time torce, vão concordar comigo que o Fla X Flu é diferente. Existe toda uma atmosfera mítica no clássico. Não sei dizer se é o Maracanã ou a mistura das três cores do Flu com o rubro negro do Fla. Meu saudoso patrão e flamenguista apaixonado, José Adervan, dizia sempre que o Fluminense cresce contra o Flamengo. Ele dizia que o Fla X Flu é o único clássico que o melhor não ganha. Segundo ele, ganha o clássico quem tiver mais alma, mais coração e vontade. Vou ter que concordar com ele.

É fato, e contra fato não há argumentos, que o Flamengo hoje é o melhor time das Américas e (no momento) um dos grandes times do mundo. É impressionante como o time joga bola, com toques rápidos, triangulações e chegadas na área adversária com uma frequência e intensidade espantosa.

O Flamengo fica com a bola e ataca o tempo todo. É fato que o excesso de zelo e a displicência para matar a partida terminam atrapalhando. Existem também algumas deficiências que precisam ser ditas: falta um bom goleiro; a zaga toma muitos gols de cabeça e Arão não é e nunca será zagueiro, fora isso o time é show, um espetáculo a parte.

Falando um pouco do Fluminense, fica evidente que o time é mal escalado. Não podemos jogar contra o todo poderoso Flamengo com Fred e Nenê, um deles precisa ficar no banco e alguém precisa ficar na sobra de Egídio, pois em algum momento ele vai falhar. Os meninos Kayky e Gabriel ainda precisam de mais bagagem (eu colocaria um ou os dois no segundo tempo) e começaria com mais marcação nos primeiros 45 minutos, enquanto o Flamengo tem gás. Atacaria nos 30 minutos finais. Outra coisa: o Cazares é titular.

No próximo sábado teremos o segundo jogo e saberemos quem será o campeão. Continuo dizendo que o Flamengo é o favorito e melhor time e tem a responsabilidade de ganhar o jogo. Só é preciso entender que existem 11 homens do outro lado vestidos em uma camisa pesada e que sempre surpreende o todo poderoso Flamengo. Acho que os jogos do meio de semana na Libertadores terão influência direta no resultado do próximo sábado.

O cronista, dramaturgo e tricolor Nelson Rodrigues costumava dizer que o Fla-Flu começou 40 minutos antes do nada, em um tempo imemorial. O que sei é que esse clássico é diferente, é o mais charmoso do futebol brasileiro e como diz o hino do Flamengo, “Nos Fla-Flus é um ai, Jesus”. Espero que no próximo sábado não vença o melhor, pois nesse momento o melhor é o rubro negro. Espero que vença o mais dedicado, aguerrido e com vontade de vencer. 


Arnold Coelho
Tricolor

*A análise do colunista não reflete, necessariamente, a opinião de Pauta.blog.br

//

Leia em: 2 minutos

Já são aproximadamente 18 meses em que o mundo ‘parou’ e nossas vidas mudaram com a chegada de novos costumes e rotinas. Um vírus quase invisível (microscópico) mexeu com toda a humanidade e nos fez pensar coletivamente. Como algo tão pequeno conseguiu que aproximadamente 7,8 bilhões de pessoas se conectassem no mesmo pensamento e desejassem a mesma coisa: uma vacina, uma cura?

Aprendemos na dor a nos distanciar de quem gostamos e trocamos o aperto de mão e o abraço pelo ‘soquinho’ de mão fechada. A máscara hoje é uma obrigatoriedade – tenho várias – e o álcool gel virou utensílio de primeira necessidade. Os cuidados com a nossa saúde redobraram e os hábitos saudáveis, como boa alimentação e atividades esportivas, voltaram a figurar como prioridade para grande parte da população mundial.

A cada dia perdemos ‘irmãos’ ao redor do mundo ou ao nosso redor. Digo irmãos pois somos uma raça, ‘a raça humana’, em um pequeno planeta nesse nosso minúsculo sistema solar, e aos olhos do Criador somos uma grande família chamada humanidade.

Essa Pandemia veio para nos mostrar o quanto somos frágeis. Tenho me perguntado a cada dia por que esse vírus só atinge o Homos sapiens? Vivemos em um planeta com muita vida animal e só nós, os ‘animais racionais’, estamos sendo contaminados por esse vírus. Por que todos os outros animais não se contaminam – ou são imunes – com o Corona Vírus? Será um recado? O que todo o reino animal irracional tem que nós, que nos achamos superiores, só porque pensamos, não temos? Será que esse vírus é um recado para a raça humana ser menos racional e amar como os animais?

Graças a Deus e a ciência, a cura já existe e a cada dia mais pessoas são imunizadas contra esse vírus. Que fique a lição para todos nós. É certo que essa pandemia vai passar. Ainda não sabemos quantos e quem mais vai pagar por essa conta, por isso precisamos continuar mantendo o distanciamento social, o uso da máscara e o álcool gel, as práticas esportivas e a boa alimentação, além do mais importante: ler o Livro Sagrado e fazer valer João 13:34-35. 


Arnold Coelho
Cheio de esperança

*A análise do colunista não reflete, necessariamente, a opinião de Pauta.blog.br

//

Leia em: 2 minutos

Feliz Domingo de Páscoa! Acredito que essa será uma das muitas frases que ouviremos durante todo o dia. É um dos muitos clichês que usamos para demonstrar toda a nossa fé cristã. A Semana Santa, que teve início no Domingo de Ramos com a chegada de Cristo em Jerusalém, termina hoje com o Domingo de Páscoa. Esse período de oito dias nos remete à paixão, a morte e a ressurreição de Jesus Cristo.

O que me deixa triste com o homem cristão é a necessidade de levar vantagem em tudo, até em um momento de fé. Durante o período de Semana Santa o comércio de flores, alimentos e mais recentemente o de ovos de páscoa aquece suas vendas. A semana é de fé, mas o Homo sapiens não perde tempo e termina comercializando as datas. Imaginem que na ressurreição de Cristo o homem conseguiu colocar um coelhinho na ‘história’, guloseimas de chocolate em forma de ovos para ganhar dinheiro em mais um dia santo.

Quero aqui deixar bem claro que sou Cristão e tenho sim Cristo como o meu Salvador, mas vejo que o homem ocidental banalizou datas importantes no intuito de faturar, vendendo flores, alimentos e guloseimas, comercializando um momento triste da história da humanidade. É bom que se diga que a Sexta-feira Santa é um momento de reflexão. Cristo foi espancado, crucificado e morto. A ressurreição só aconteceu no domingo. Foram dias de muita tristeza, reflexão e fé.

Eu particularmente acho que a mensagem deixada por Cristo foi de Amor, Fé e Esperança com o próximo. Ele morreu por nós. Fico aqui imaginando se o seu pai morresse por você, qual seria o seu sentimento e o que você faria na data da morte dessa pessoa que morreu para te salvar? Com certeza não teria comemoração com um banquete regado a vinho e ovos de chocolate de sobremesa. 

_____________
Arnold Coelho
Tentando ser cristão

*A análise do colunista não reflete, necessariamente, a opinião de Pauta.blog.br

//

Leia em: 3 minutos

A imagem de apoiadores do presidente Jair ‘Messias’ Bolsonaro na Avenida Paulista, em São Paulo – principal centro financeiro do país – protestando contra o uso de máscaras só mostra a que ponto o ser humano pode chegar para adorar, idolatrar e seguir cegamente um ‘líder’.

O atual presidente conquistou milhões de fiéis seguidores com o seu discurso fascista, de extrema direita, ao ponto de convencer boa parte dos que o acompanham a não usarem máscaras e duvidarem da vacina. As consequências das falas esdrúxulas do ‘Messias’ foram vistas no protesto da Paulista, com a negação do uso da máscara e da doença.

Vendo esse cenário de tragédia e cegueira coletiva anunciada no Brasil eu lembrei do ‘pastor’ Jim Jones, do Templo Popular, uma seita pentecostal cristã, que em novembro de 1979 convenceu 918 pessoas a morreram em um misto de suicídio coletivo e assassinatos em Jonestown, na Floresta Amazônica, no território da Guiana. Eu particularmente tenho medo dos extremos, independente do lado, o extremismo é perigoso.

Essa semana vi a notícia de uma enfermeira que morreu de Covid por se negar a tomar a vacina e seguir os protocolos exigidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Ano passado, um médico ilheense do Hospital Costa do Cacau morreu tentando curar a Covid com o coquetel (Cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina) indicado pelo presidente. O médico era hipertenso e não resistiu. São muitos casos de seguidores morrendo cegamente, negando seguir o protocolo, enquanto a mãe do presidente já foi vacinada com a vacina chinesa.

A cegueira dessa ‘legião’ de seguidores é algo preocupante. A mudança é compreensível, pois o povo queria algo novo. A população queria o combate à corrupção e uma nova política sem conchavos, sem as famosas compras de votos no ‘Centrão’. Depois de 15 meses de governo o que conseguimos ver é uma grande crise econômica, desemprego em larga escala, inflação e um aumento monstruoso na no valor da cesta básica e nos derivados de petróleo.

O Brasil hoje é motivo de preocupação mundial. Entramos no terceiro mês de 2021, com muita falácia e pouca ação – por parte do presidente e sua equipe – no combate à pandemia. Segundo o comandante dessa Nau chamada Brasil é preciso “diminuir a frescura, com menos mimimi”.

Vale ressaltar que enquanto tem país vacinando milhões de pessoas a cada dia, o Brasil segue a passo de tartaruga, vacinando a ‘conta-gotas’, em um ritmo que levará alguns anos para imunizar toda a população. Com isso os números só crescem. Precisamos de mais ação concreta e menos falácia! 

_____________
Arnold Coelho
Distante dos extremos

*A análise do colunista não reflete, necessariamente, a opinião de Pauta.blog.br

//

"Não fique BATENDO PERNA na rua. É importante saber que quanto mais você circular, mais terá chance de adquirir o VÍRUS", enfatiza Arnold Coelho

Leia em: 2 minutos

Precisamos deixar um pouco a política-ideológica de lado e começar a assumir que não estamos fazendo a nossa parte. É fato que os governos – nas três esferas – precisam acelerar o processo de vacinação, mas não adianta cobrar tanto dos políticos os nossos DIREITOS se não estamos fazendo os nossos DEVERES. Precisamos começar a AJUDAR no combate ao VÍRUS.

Os JOVENS perceberam que são – em sua ampla maioria – imunes aos efeitos da contaminação do VÍRUS e, de forma IRRESPONSÁVEL, estão levando o VÍRUS para dentro de CASA, infectando os mais VELHOS. Depois são os primeiros a correrem para a INTERNET para culpar os POLÍTICOS, a POLÍTICA e o SISTEMA DE SAÚDE. Ou os JOVENS mudam a rotina nos próximos meses ou iremos enterrar muita gente até o fim da vacinação.

Precisamos adotar medidas simples para SALVAR VIDAS! Mais quais medidas? USANDO MÁSCARA ao sair, mantendo uma distância mínima de 1,5 metro do seu semelhante, usando ÁLCOOL GEL e sempre que voltar para casa higienizando o que trouxe da rua e LAVANDO AS MÃOS.

Outra ação simples que você precisa fazer é lavar a roupa que usou ao sair. Lave sua máscara (se for de tecido) e coloque no sol o sapato que usou. Deixe sempre um pano limpo e úmido na entrada de casa, com desinfetante e alguma substância à base de cloro.

Receba poucas pessoas e em caso de visita cobre a máscara e o uso do álcool gel. Visite pouco os parentes e amigos (para isso, use telefone, o Whatsapp, vídeo chamada, etc), só visite em caso de extrema necessidade. Vá ao comércio se for para TRABALHAR, pagar conta ou comprar alimentos ou remédios.

Não fique BATENDO PERNA na rua. É importante saber que quanto mais você circular, mais terá chance de adquirir o VÍRUS. No caso dos JOVENS que gostam de sair, o ideal seria ficar em casa ou só sair seguindo essas recomendações. Se um parente seu (PAI, MÃE ou AVÓS) pegar esse vírus, a CULPA poderá ser SUA.

Por último é importante que você saiba como está o seu sistema imunológico. Como você anda de Vitaminas C, D, E e Zinco? Procure um médico no seu posto (é de graça), solicite dele exames e se preciso for, peça que ele indique um polivitamínico. E o mais importante: faça alguma atividade física, tome SOL pela manhã, se alimente e durma bem e FIQUE EM CASA.

Tenho seguido esse cronograma desde o início da pandemia e até o momento eu e minha família (graças a Deus) não pegamos COVID.

_____________
Arnold Coelho
Em casa

//

Leia em: 3 minutos

Diariamente tenho feito um esforço tremendo para tentar achar alguma coisa boa nesse governo. Tenho buscado por todos os lados e nada vejo de positivo que possa enxergar algo de bom para o Brasil. Percebo que a cada ‘ação desastrosa’ dessa gestão o presidente ou algum ministro soltam uma ‘pérola’ na mídia para tirar o foco.

Em caráter emergencial foi liberado recurso para o Ministério da Saúde combater a Pandemia, mas até agora esse governo gastou menos de 10% e tem comprado vacinas em pequenos lotes, mas comprou milhões de comprimidos de Cloroquina, o que lhe rendeu o apelido de ‘Capitão Cloroquina’. Por outro lado, ele assinou novos decretos aumentando o limite de armas por pessoa. Existem casos em que a pessoa vai poder comprar de 30 a 60 armas. O cara literalmente surtou! O brasileiro não tá conseguindo comprar carne pra botar na mesa e ele facilita a compra de armas! As milícias e o crime organizado agradecem. O povo quer vacina, senhor presidente!

Mas vamos continuar tentando achar algo positivo nesse governo. Sou um cara que gosta do meio ambiente, e defendo a preservação da fauna e flora, daí esse governo vem e libera 967 pesticidas (agrotóxicos) entre 2019 e 2020. Só no ano passado foram 493. O mundo inteiro condena o uso e ele simplesmente libera. Dá pra entender?

Ainda na questão ambiental, o ‘Capitão Cloroquina’ desaparelhou o Ibama com a desculpa que o órgão era uma fábrica de multas. O resultado foi um aumento significativo de queimadas e desmatamento por todo o Brasil. Criou e aprovou ano passado o Marco Legal do Saneamento Básico. Para não me aprofundar muito (pois já fiz um artigo sobre esse assunto há alguns meses) a ideia central do Marco é privatizar a coleta de lixo e os aterros sanitários, varrição de ruas, limpeza de bueiros, rede de esgoto, e o pior, vender a nossa água! Isso mesmo, esse Marco autoriza estados e municípios a venderem suas empresas ou autarquias de fornecimento de água. Querem privatizar a nossa água, nosso bem comum, com a desculpa de aumento de empregos. “Pode isso, Arnaldo?”

Com relação às nossas estatais, o ministro da Economia Paulo Guedes não esconde de ninguém que pretende vender o Banco do Brasil – já começou o processo de fechamento de mais de 360 agência e demissões voluntárias –, além Caixa Econômica Federal; a Petrobras já começou o processo de venda, com algumas plataformas, e de acordo com o site Correio24horas.com o governo federal vendeu a refinaria Landulpho Alves (na Bahia) pela bagatela de US$ 1,65 bilhão (R$ 8,86 bilhões na cotação atual), segundo especialistas, metade do seu valor de mercado. Essa foi a primeira, outras serão vendidas. Não podemos esquecer ainda dos Correios e da Eletrobras. Nenhum país sério e de primeiro mundo privatiza ou vende suas riquezas. Nem vou falar da Ford, que acabou de sair do Brasil depois de 100 anos.

Vamos falar um pouco do trabalhador brasileiro. O ‘Capitão Cloroquina’ acabou com o Ministério do Trabalho e fez uma reforma trabalhista que faz com que o indivíduo tenha que trabalhar 40 anos para descansar, passe a negociar os seus direitos diretamente com o patrão, trabalhe em regime de experiência por 180 dias (antes era 45 dias) e morra sem se aposentar, além de desvalorizar nosso salário, que um dia já bateu a casa dos 400 dólares e hoje está custando 192 dólares. Poderia fazer um artigo sobre o aumento da cesta básica nos últimos 14 meses, mas acho desnecessário. O povo tá vendo e sentindo no bolso!

Na política eu lembro de uma frase dele que dizia o seguinte: “Foro Privilegiado é para político vagabundo”. O filho hoje usa o Foro para fugir da justiça (lembra das rachadinhas?). Esse mesmo presidente ‘detonava’ com o Centrão e se elegeu prometendo uma nova política, sem conchavos e benefícios para a classe. Em pouco mais de um ano, para eleger o novo presidente da Câmara dos Deputados, o ‘Capitão Cloroquina’ negou o seu discurso e gastou mais de 3 bilhões e alguns Ministérios, barganhando a presidência da Casa para um aliado dele. Dá pra acreditar em algo dito por esse ‘Capitão’?

Falar desse desgoverno requer tempo (muito tempo!) e estômago de avestruz para engolir tanta coisa errada. Vou continuar torcendo para que aconteça algo legal até o fim dessa gestão, afinal esse ‘despirocado’ pode a qualquer momento encarnar a ‘Ruth Boa’ (Mulheres de Areia) e começar a fazer a coisa certa. É difícil, mas a esperança é a última que morre. Pra começar, que tal trocar o foco das armas por mais vacina?
_____________
Arnold Coelho
Mantendo a esperança

//

Leia em: 2 minutos

Outro dia comentei em um texto meu que só falaria da Pandemia para dar notícia boa, pois já estava virando figurinha repetida falar sempre desse vírus. Infelizmente preciso voltar ao assunto e destacar o nosso cenário local de forma negativa.

É importante salientar o esforço – mesmo que desordenado – dos governos Federal e Estadual com a aquisição e a chegada das vacinas em nosso país e o início da vacinação em todo o território nacional. Ibicaraí, como todos os 5.570 municípios brasileiros, já está vacinando, respeitando o cronograma estabelecido pelo Ministério da Saúde.

A vacinação anda em ritmo lento (2,40% da população nacional), mas está acontecendo e a cada dia mais pessoas são vacinadas. Tudo é uma questão de tempo para que a nossa cidade, o estado da Bahia, o Nordeste e todo o Brasil cheguem ao número mágico de 70% da população vacinada, o que fará com que a guerra contra a pandemia comece a ser vencida.

O que precisamos nesse momento é de união entre todos, com a volta da fiscalização e a limitação de pessoas nos estabelecimentos comerciais; a obrigatoriedade do uso da máscara e álcool gel; o distanciamento nas filas; a proibição de eventos e festas, além de uma maior fiscalização nos bares, academias e igrejas.

Medidas precisam ser tomadas urgentemente ou entraremos em uma terceira onda, o que nesse momento será desastroso e trará a certeza de muitas mortes. Vale lembrar que quase triplicamos o número de infectados na cidade nos últimos dias, com 96 casos ativos.

É importante dizer que esse crescimento no número de infectados na cidade – em parte – é em virtude de festinhas particulares, aniversários e cultos religiosos sem o uso da máscara. Vejo com frequência igrejas evangélicas com aglomeração, assim como bares no centro e nos bairros e academias cheias e os famosos aniversários – muitos feitos em fazendas. Nesse momento aglomerar é a certeza da propagação do vírus.
_____________
Arnold Coelho
Esperando a vacina

//

Leia em: 3 minutos

No início de 2020 o que parecia ser filme com clichê hollywoodiano caiu de paraquedas em nossos colos e fomos ‘obrigados’ a nos isolar em casa – mantendo distanciamento social – em um processo de quarentena sem data para acabar.

Tudo foi muito rápido e incerto para todos. O mundo parou e máscara e álcool gel viraram itens obrigatórios do nosso dia a dia. Me deparei com barreiras e barricadas nos vários pontos que dão acesso à nossa cidade e por vezes caminhei pela BR-415 sem a presença de veículos e pessoas. Comecei a entender quanta falta faz a presença humana em nossa vida.

Os meses passaram e o mundo aprendeu – ou está aprendendo – a conviver com esse vírus. Milhares de pessoas morreram e a sociedade científica mundial, amparada pelas nações ricas, se dedicaram dia e noite em busca de uma vacina para combater o Covid-19. Acho que nunca, em toda a minha vida, eu repeti tanto duas palavras: Coronavírus e Covid-19.

Passamos por uma onda (o que já era esperado) e quando os números de mortos foram diminuindo as pessoas voltaram às ruas, praias, shoppings e festas particulares. As comemorações de final de ano e os encontros familiares voltaram a acontecer – e o que os especialistas previam com a chegada do Natal aconteceu: a segunda onda veio mais forte.

O ano de 2020 passou sem motivo para comemorar e a chegada do novo ano veio com diversas vacinas. Iniciamos 2021 com ‘uma ou duas doses’ de esperança e agora falta pouco (muito pouco!), mas ainda não acabou. Precisamos nos cuidar, continuar usando máscara, álcool gel e mantendo o distanciamento social, pois o processo de vacinação é lento e ainda não existe vacina pronta para todo mundo.

Outro dia li uma postagem no Facebook onde dizia que o cigarro matou mais que o Covid em 2020 e ninguém falou nada a respeito. Eu particularmente achei uma comparação no mínimo estranha. Não podemos comparar o tabaco, que para muitos é estilo e opção de vida, onde o indivíduo escolhe fumar e tem uma carência de 25 a 30 anos, até adquirir um câncer de pulmão e morrer, com um vírus que você não escolhe pegar e quando pega a sua vida pode ser resumida a 25/30 dias.

As redes sociais têm ‘bombado’ nos últimos meses dizendo o que você deve fazer, tomar, usar ou não usar; e agora, com a chegada das vacinas, qual a melhor e quando tomar.

Vejo nessa ‘guerra de postagens’ muitos doutores formados pela “Universidade do Facebook” com PHD pela “Universidade do Google” que discordam de institutos como o Butantan e a Fundação Osvaldo Cruz. Vale salientar que os dois têm 120 anos de história e credibilidade nacional e internacional.

Acho que o momento agora é de tentar unir em um único propósito: se manter vivo! Para isso é preciso ouvir quem tem autoridade no assunto, nesse caso é bom ouvir Órgãos e profissionais de Saúde, Sociedade Científica Internacional, e quando buscar informação na internet é importante ler artigos científicos publicados em veículos (sites) de informação com credibilidade comprovada. É insano ouvir e concordar com algo dito por alguém que ainda acha que a Terra é plana.

O que precisamos agora é de um pouco mais de paciência, pois a vacinação já iniciou e a cada dia mais vacinas chegam e mais pessoas são imunizadas no Brasil e no mundo. Em breve e com fé em Deus – volto a dizer que sou Cristão – essa pandemia será coisa do passado e aí sim poderemos voltar a dar um grande abraço nas pessoas que amamos. Mas para que isso aconteça, QUE TAL ESPERARMOS UM POUCO MAIS?
_____________
Arnold Coelho
Esperando, sem pressa…

//

"A ‘Lei de Gérson’ continua viva em nosso país", enfatizou Arnold Coelho

Leia em: 2 minutos

Depois de um ano de 2020 para esquecer, apagar da memória, 2021 chegou com problemas, mas trouxe com ele a esperança em forma de vacina. É sabido que tudo está no começo e vacinar quase 8 bilhões de pessoas no mundo não é tarefa fácil. A tendência é que com o passar dos meses os grupos prioritários sejam vacinados e a normalidade que tanto sonhamos volte.

Aqui no Brasil são cerca de 208 milhões de pessoas e o processo está no início e com problemas, graça aos vícios e ao ‘jeitinho brasileiro’ do nosso povo. O brasileiro sempre cultuou a figura do ‘malandro’ e o mundo sempre viu isso. Walt Disney quando pensou em criar um personagem brasileiro buscou a figura do papagaio carioca e malandro, assim nasceu o Zé Carioca.

Em meados dos anos 70, em pleno regime militar e o Brasil tricampeão mundial de futebol, um infame comercial de cigarro (Vila Rica) teve como garoto propaganda o nosso Gérson, o Canhotinha de Ouro, que protagonizou uma campanha publicitária e sem querer descreveu em uma frase o brasileiro e sua essência, Gérson finalizava o comercial dizendo: “gosto de levar vantagem em tudo”.

Gerson não idealizou essa bendita frase, só repetiu como um bom papagaio, malandro e carioca, essa pérola que virou bordão no país, fazendo parte da nossa pobre cultura tupiniquim. O bordão cresceu, percorreu todo o território nacional, saindo do Oiapoque ao Chuí, e infelizmente elevou da categoria bordão para lei, ‘A Lei de Gérson’. E Gérson, gênio na arte de jogar bola e fazer grandes lançamentos dentro de campo, lançou essa pérola por todo o Brasil.

A ‘Lei de Gérson’ continua viva em nosso país e a prova disso foi o início da vacinação contra a Covid-19 em todo o território nacional, onde prefeitos, secretários municipais, autoridades dos três poderes e pessoas com alto poder aquisitivo estão usando o ‘jeitinho brasileiro’, através da ‘Lei do Gerson’, para levar vantagem e furar a fila na hora da vacinação.

São muitos casos sendo denunciados por todo o país, que precisam ser averiguados e os infratores precisam – de alguma forma – serem punidos. Precisamos mudar essa triste realidade no Brasil, onde a única lei que verdadeiramente funciona é a do Gérson.
_____________
Arnold Coelho
Esperando a vacina, sem furar a fila

//

"Você precisa estar bem em família, no casamento, com os filhos, com os pais – se ainda tiverem – os irmãos e os parentes. A boa convivência e harmonia familiar é o pontapé inicial para um ano melhor", enfatizou Arnold Coelho

Leia em: 2 minutos

Será que é um novo ano mesmo? Que tudo vai mudar e os problemas de 2020 ficarão no passado e 2021 será diferente? Que nossos sonhos não realizados sairão do papel e que esse ano tudo dará certo? Ouço essa ladainha faz algumas décadas e todo ano começa na empolgação e termina na frustração.

Não sou cético ou muito menos pessimista, nem estou aqui no ‘primeiro dia’ desse ‘novo ano’ torcendo contra, mas tenho comigo que para cobrarmos tanto desse ano que iniciou hoje, precisamos primeiro mudar de atitude. A mudança não depende de data ou passagem no ponteiro do relógio, estouro de fogos, frases de efeitos ou fotos produzidas nas mídias sociais. Depende só de você!

O fato é que para termos um ano melhor precisamos melhorar. Se o nosso problema é de ordem financeira – faço parte desse grupo – precisamos rever nossos gastos, eliminando tudo o que for supérfluo. Para termos uma boa vida financeira é simples: nossa despesa precisa ser pelo menos 20% menor que nossa receita. Se você não fizer isso, terá um ‘novo ano’ com dívidas e problemas antigos.

Falamos da saúde financeira e agora vamos falar da saúde física, mental e espiritual. Se você está lendo esse artigo é porque graças a Deus escapou da Pandemia e virou o ano com vida e saúde. A ‘saúde’ é a base para tocar a vida que lhe foi dada por Deus.

Quando digo saúde física é com relação aos hábitos saudáveis. É ter uma atividade física regular. Se não tem, coloque na pauta de mudanças desse ‘novo ano’ alguma prática esportiva: como caminhar, nadar, pedalar ou até mesmo uma academia. Faça exercício! É bom salientar que com a saúde física, a saúde mental vem no ‘pacote’.

A saúde espiritual também conta muito. Eu sou cristão e tenho Cristo como o meu Salvador. Acho importante ter uma crença. Crer em algo. Poder se apoiar e pedir ajuda, direcionamento, amor, paz, sabedoria para viver bem sem fazer o mal a ninguém, e vejo em Cristo esse guia – pastor – que preciso. Como sou cristão, aconselho que tenham Cristo diariamente e terá uma boa saúde espiritual.

Por último eu coloquei a família. Você precisa estar bem em família, no casamento, com os filhos, com os pais – se ainda tiverem – os irmãos e os parentes. A boa convivência e harmonia familiar é o pontapé inicial para um ano melhor. Como posso falar em melhorar o ano, o mundo, o país, o estado e a cidade em que vivo, se não consigo melhorar a minha convivência em casa com a minha família?

Para um ano melhor é necessário que você seja uma pessoa melhor.

Comece melhorando por você e tudo vai conspirar ao seu favor.

_________________
Arnold Coelho
Tentando ser alguém melhor nesse ‘novo ano’

Notícias mais lidas

Outros assuntos