//

O Sinjorba e a Associação Baiana de Imprensa decidiram constituir um fórum estadual para acompanhar e prevenir os casos de violência e assédio contra jornalistas no exercício de seu trabalho profissional

Leia em: 2 minutos

A Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) divulga nesta quarta (25.janeiro) o Relatório da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil de 2022, mostrando que foram registrados 376 agressões a jornalistas e a veículos de comunicação ao longo do ano passado.

As agressões se mantiveram em níveis elevados, apesar da queda registrada em comparação com o ano anterior. Foram 54 casos a menos que os 430 registrados em 2021, ano recorde, desde o início da série histórica dos levantamentos feitos pela Fenaj.

O Relatório aponta aumento dos ataques diretos aos profissionais da notícia, como hostilizações chegando a agressões físicas. O ano de 2022 foi marcado, no Brasil, pelas eleições gerais e pela violência política, que atingiu autoridades, políticos, militantes dos movimentos sindical e social e pessoas que, em comum, tinham o fato de serem defensores da democracia e das instituições democráticas. Os jornalistas brasileiros foram, igualmente, vítimas do ódio político, mas tiveram de continuar enfrentando também a violência dirigida à categoria em razão do exercício profissional.

Apesar da queda de 12,53% em relação ao ano anterior, a análise do levantamento constatou que as agressões diretas a jornalistas tiveram crescimento em todas as regiões do país, com ataques cotidianos. “Houve uma agressão por dia a jornalista no país no ano passado”, afirma a presidenta da Fenaj, Samira de Castro.

Houve crescimento de 133,33% nas ocorrências de Ameaças/hostilizações/intimidações, que foi a segunda categoria com maior número de ocorrências em 2022, com 77 casos. Já as Agressões físicas aumentaram 88,46%, passando de 26 para 49 no ano passado. Cabe destacar, ainda, o brutal assassinato do jornalista britânico Dom Phillips, numa emboscada, junto com o indigenista Bruno Pereira, em Atalaia do Norte (AM).

E o começo de 2023 não parece indicar mudança neste quadro. Somente nos primeiros dias de janeiro foram dois casos de agressão e ameaça a equipes jornalísticas apenas em Salvador. No último deles, em 16/01, a repórter Tarsilla Alvarindo (que recebeu um murro no rosto), o cinegrafista George Luís e o motorista Marcos Oliveira, da TV Record Itapoan, foram agredidos enquanto cobriam ao vivo um acidente de trânsito. O primeiro episódio ocorreu no dia 11/01, com a equipe da TV ARATU ameaçada por eleitor de extrema direita no Farol da Barra.

De acordo com jornalista, presidente sempre incentivou ataques à imprensa brasileira

Leia em: 2 minutos

O jornalista Ricardo Noblat soltou o verbo no Blog do Noblat ao avaliar o ocorrido na cidade de Itamaraju, região do extremo sul baiano, quando a repórter da TV Bahia, afiliada Rede Globo, Camila Marinho, foi agredida por um dos seguranças do presidente Jair Bolsonaro (PL).

De acordo com Noblat, o presidente é o maior inimigo da liberdade de imprensa no Brasil porque compactua com episódios de violência envolvendo profissionais da comunicação em todo o país. Noblat repudia as atitudes e atribui a Bolsonaro o comportamento agressivo de quem o cerca. Inclusive, em várias situações, já mandou repórteres calarem a boca quando esses fizeram questionamentos que o desagradaram.

No episódio envolvendo a repórter nesse domingo (12.dezembro), um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento em que um dos seguranças do Chefe do Executivo grita e ameaça a equipe de reportagem que tenta direcionar o microfone para Bolsonaro. Esse mesmo vídeo mostra que o presidente não esboça nenhuma reação ao presenciar a cena, pelo contrário, passa a mão no ombro do homem tranquilamente na tentativa de, supostamente, acalmá-lo, mas não há efeito sobre a situação.

Fato é que as eleições de 2022 prometem ser uma das mais acirradas de todos os tempos com ataques vindos de todos os lados e o velho conselho “salve-se quem puder” é muito válido. O importante é que a imprensa vai continuar cumprindo o papel de informar e ser uma grande aliada da população nos assuntos que norteiam o rumo do nosso país.

O grupo foi inserido na prioridade da vacinação, de acordo com a decisão da CIB-BA

Leia em: < 1 minuto

A Secretaria de Saúde de Ilhéus abriu cadastro para os profissionais de imprensa com idade acima de 40 anos na vacinação contra a Covid-19 em Ilhéus. Segundo a Sesau, os interessados deverão enviar planilha para o e-mail: imunizacaoilheus@outlook.com, constando as seguintes informações:

▶️ Nome da empresa;
▶️ Quantidade de colaboradores;
▶️ Nome completo e função de cada colaborador;
▶️ CPF e cartão do SUS;
▶️ Telefone para contato

É necessário comprovar o vínculo empregatício. O envio da planilha não garante a imunização imediata, mas agiliza o serviço, à medida que as doses estiverem disponíveis.

O grupo foi inserido na prioridade da vacinação, de acordo com a decisão da Comissão Intergestores Bipartite da Bahia (CIB-BA)..

Notícias mais lidas

Outros assuntos